Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.

Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons


Por que sua alma deixaria de existir?

Enviado em 23/04/2011 (1772 leituras)

Pensamento: “...uma grande civilização não pode ser conquistada até que tenha se destruído por dentro.” - William Durant.


O título deste artigo trata-se de uma pergunta que minha amada esposa, grande incentivadora de meus caminhos, me fez logo nos primórdios de nosso namoro, na época fiquei bem perdido e confesso que percebi que nem ela sabia direito a resposta, mas hoje tentarei abordar e abranger no máximo, em que meu “leque do conhecimento pessoal” puder alcançar, esta frase que é tão, infinitamente, abrangente quanto *Ybaka (o Céu) e *Paranã (o Mar).

*Aujé Eté îa rapé guassu!!! (Que assim seja em nosso grande caminho!)

O que seria de uma nação sem sua história? O que seria de uma Árvore sem suas raízes?

Comecei este artigo com uma célebre frase do grande escritor e intelectual americano William Durant, que faleceu na década de oitenta e que teve uma vida regada a grandes lutas e causas sociais, sendo que, a principal delas é a de facilitar o acesso do “homem comum” a filosofia e a história, tanto na linguagem adotada, quanto na forma por ele escolhida, como artigos em revistas, panfletos publicados em série, etc.

Onde reside a alma? Na cabeça de muitas pessoas, a alma e espírito são a mesma coisa, seria isso? O espírito é o consciente e a alma o subconsciente?

Para os Celtas o espírito residia na cabeça, por isso, as de seus inimigos de guerra eram cortadas, a fim de aprisionarem seus espíritos e não deixá-los “seguir para o Outro Mundo”, considerado pior que a morte.

A verdade é que para cada tese que nasce uma contrária, nasce conjugada a ela e não me cabe definir, paulatinamente, o conceito de alma. Acredito que isso cabe a cada um dentro de suas crenças, convicções e filosofias. Cada qual com seu caminho e seu aprendizado, nosso "livre arbítrio" deve ser algo consciente, mas infinitamente, ligado a nossa profunda intuição e jamais devemos esquecer que todos fazem parte da mesma grande teia tecida pela Criação.

Os tempos estão passando depressa demais, para se perder tempo definindo este conceito!

Sim, de fato, o tempo está mais curto e isso cientificamente comprovado por um cientista alemão chamado Winfried Otto Schumman que, em 1952, conseguiu provar que a Terra possui uma ressonância (batizada de ressonância Schumman em homenagem ao seu descobridor) que determina a “pulsação” do planeta. Esta ressonância, dita a velocidade do tempo/hora de nossas vidas, segundo o movimento de rotação e translação de nosso imenso planeta.

Constatou-se neste tempo que a Terra “pulsava” de 7 a 7,5 herz, o dia teria exatamente 24hs. Mas no começo dos anos 90, foi feita uma nova constatação e ficou comprovado que, devido às mudanças climáticas da Terra, essa medição passou para 13 a 14 herz, ou seja, nosso dia passou a ter 16hs.

Essa constatação é oficial, mas existem informações que não nos são dadas pelos “veículos facilitadores”, temos que buscá-las. Infelizmente, pois estes veículos têm coisas “mais importantes” para divulgar como carnaval, eventos esportivos, enfim...

Agora, oficialmente, algumas pessoas através deste artigo terão acesso a esta informação e compreenderão que não é apenas impressão ou “um sentimento” que o tempo está passando depressa, ele de fato está!!!

Portanto, não devemos perder nosso precioso e escasso tempo, guardando e nutrindo sentimentos que apenas fazem atrasar nossa evolução neste plano, cultivemos as boas memórias, boas vibrações, em equilíbrio com nossas “sombras” para nos mantermos alertas aos perigos da vida.

A frase inicial de Durant, também, nos remonta aos nossos antepassados e herdeiros diretos de nossa Terra-Mãe Brasil, os Índios, que até hoje “mendigam” por um pedaço minúsculo de Terra, sua própria Terra, a Terra que seus pais, avós e bisavós cultivaram com o verdadeiro significado da palavra, interação e amor, vendo dizimada sua espiritualidade. Índio tem espiritualidade pagã, politeísta e animista, e não monoteísta, como muitos hoje “adotaram” e que foi completamente deturpada pelos jesuítas portugueses, mas desta história, trataremos em outro artigo futuramente.

E o que, aconteceu aos nossos outros antepassados Celtas, quando Cezar entendeu que não era combatendo os guerreiros diretamente e fisicamente em batalha que venceriam a guerra, mas sim, eliminando sua maior motivação para viver, sua espiritualidade. Os Druidas foram gradualmente eliminados e esse foi um dos principais fatores que levaram Cezar a vencer os Celtas, eliminando, também, sua espiritualidade, o sagrado.

Em uma carta publicada por um *morubixaba (chefe) Índio de nome Seattle, tribos norte-americanas em 1885, na época, o presidente dos EUA, disse: “A Terra sob nossos pés são as cinzas de nossos ancestrais”, após receber uma proposta de compra de terras para construções e empreendimentos industriais.

Esta carta é tida como uma das maiores declarações de amor à Terra de todos os tempos, no fim deste artigo, compartilho um link de um belo vídeo que narra as belas imagens desta carta. Como nas palavras de um grande sábio do campo e das ecovilas do interior de São Paulo, Edson Hiroshi: “o homem nem materialista é, pois ele destrói a matéria.”

Ao fim de meu breve texto, como sempre cheio da paixão sem precedentes que move este humilde filho da Terra, e em conseqüência disto, irmão de cada ser que respira neste planeta, seja ele do reino animal, mineral ou vegetal, deixo a quem ler este artigo que pergunte a si mesmo: “por que sua alma deixaria de existir?”. Pois é no âmago de nosso ser que residem as mais intrínsecas respostas de nossa existência, basta no silêncio, ansiar pela sabedoria da voz que flui de nossos ancestrais e que reside em nós.

Que as bênçãos de nossos antepassados possam, ainda que não sejamos pertencentes à espécie merecedora de suas bênçãos, nos cobrir de bem aventurança, pujança e amor verdadeiro!

*Aujé eté /l\

*Palavras em na língua Tupi.


Por Ëldrich Hazel Ybyrapytã
Caminhante que busca o despertar da consciência através da meditação e da compaixão.

Ëldrich, filho da Avelãzeira:
"Somos todos folhas da mesma Árvore"
E-mail:
eldrich@templodeavalon.com

Para ler os artigos de Ëldrich Hazel Ybyrapytã, clique aqui.
Direitos Autorais
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Solicitações para reprodução devem ser feitas por e-mail. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Obrigado!

Comentários:

Fáilte... Cadastre-se para comentar | Login

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Go raibh maith agat... Obrigado!