Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.

Informações: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons


A Dança das Sombras

Enviado em 10/09/2010 (2169 leituras)

A conexão e compreensão da Sombra interior

Quando se fala em sombra, logo se pensa em algo "sombrio ou "assombroso", quiçá até assombrado. Quando na verdade se trata de nosso "eu" mais profundo, nossa psique (expressão criada pelo pai da psicanálise Karl Jung).

Como um espelho que reflete o que, realmente, somos em nossa essência e que muitas vezes, ignoramos ou se quer sabemos que existe. Acontece que nosso ego se nega a confrontar-se com nossa Sombra, delimitando as ações e pensamentos que se originam desta Sombra.

Podemos citar dois exemplos dentre os milhares do que poderíamos chamar de "sombra ruim" e "sombra boa”, apenas como parâmetros de comparação, de modo que, em nosso pensamento, não há tais forças como “bem e mal”, como entidades e sim, acreditamos que aquilo que os gera, reside em nossas ações e em nossa energia/pensamento. Através da história da humanidade são inúmeras incidências que comprovam que nós, seres humanos é que somos os verdadeiros progenitores e denominadores das manifestações de “bem e mal”. Bem, vamos aos exemplos:

Na primeira situação podemos observar um cidadão "comum", pacato e honesto, que nunca fez mal ou machucou alguém, ser facilmente motivado por uma seita, líder político, religioso ou até mesmo por um "conselheiro mal intencionado" que de alguma maneira, abre uma "válvula interna" que produz uma descarga emocional, capaz de assassinar friamente outra pessoa ou cometer qualquer tipo de atrocidade. Fazendo-o, de certa forma, sentir algo que revele sua natureza mais bestial e devastadoramente real, nua e crua.

Seria esta a manifestação de sua sombra interna, recusada e rejeitada?

Já na outra situação, temos o "oposto”, um cidadão que é tido como: arrogante, prepotente e egoísta, que tem em seus bens o que mais lhe é valioso, mas que em uma situação de calamidade pública como uma enchente ou desabamento próximo a ele, sente uma necessidade incontrolável de "ajudar e fazer sua parte", pois ele sabe que tem recursos para isso.

Então, sua natureza humana tão "pisoteada" e tida como "fraqueza" se manifesta da forma mais caridosa e empática possível e ele se sente vivo como nuca antes, dotado de um "poder absoluto" que está além das fronteiras de seu ego.

A Sombra interna é nosso espelho negro ou branco, o oposto ou a semelhança. É algo trancado nos calabouços de nossos medos incompreendidos, dos quais aprendemos ser o dogma da repugnância, dos quais nossos pais e os pais de nossos pais, desde nossas raízes mais ancestrais, aprenderam que devem ser negadas e trancafiadas em lugares, onde nunca teremos acesso em nossa existência.

É o que nos escapa entre os dedos, como quando tentamos agarrar a areia, são nossos pesadelos ou sonhos "proibidos". É o "doar-se esperando que nos doem algo em seguida"... Quanto maior a intensidade da Luz, maior se projeta a sua Sombra.

A intenção neste artigo é de uma forma consciente, despertar o sentido adormecido, ou seja, a nossa conexão com esta sombra, de modo que ao compreendê-la, estudá-la e de alguma forma, possamos ajudá-la a estar em equilíbrio com a nossa consciência.

A consciência é a certeza que transcende o medo, a ignorância e a preponderância dos preconceitos impostos pela "anti-natureza" humana. Nossos filhos herdam de nós, o que formará parte de seus caracteres comportamentais, nossas ações e palavras reverberarão por toda sua vida e os guiarão nos momentos mais solitários. Portanto, já é tempo de despertarmos para o real equilíbrio que rege o Amor e a compreensão universal.

Nas palavras de Patrícia Fox - idealizadora do projeto Hera Mágica: "Caminho na Luz, mas sabendo que ao meu lado caminha uma Sombra que precisa ser respeitada e compreendida.” A busca pelo real equilíbrio desperta, se alinha com as leis universais e resgata a nossa real integridade à verdade.

Por Ëldrich Hazel Ybyrapytã
Caminhante que busca o despertar da consciência através da meditação e da compaixão.

Ëldrich, filho da Avelãzeira:
"Somos todos folhas da mesma Árvore"
E-mail:
eldrich@templodeavalon.com

Para ler os artigos de Ëldrich Hazel Ybyrapytã, clique aqui.
Direitos Autorais
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Solicitações para reprodução devem ser feitas por e-mail. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Obrigado!

Comentários:

Fáilte... Cadastre-se para comentar | Login

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Go raibh maith agat... Obrigado!