Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.

Informações: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

Mitologia Céltica

Mitologia é o estudo dos mitos que incluem as lendas e as histórias de uma cultura específica, que constituem o sistema religioso ou de crenças de um povo.

Os bardos cantavam os grandes feitos dos homens famosos, em versos épicos, acompanhados pelos sons melodiosos da lira. A música original e grande parte da poesia épica desapareceram da tradição quando os mitos foram registrados pelos escritores cristãos. Contudo, algumas das histórias, relativas, principalmente, aos feitos heróicos dos lendários guerreiros célticos, sobreviveram e constituem a substância da literatura a que chamamos agora Mitologia Céltica.

A mitologia pode dizer-nos muitas coisas acerca de uma sociedade antiga ou moderna. Todavia, antes de podermos começar a compreender a natureza da mitologia céltica, devemos primeiro desfazer o nosso próprio mito moderno dos Celtas. Durante o final do século XVIII e o século XIX a principal referência aos mitos célticos encontrava-se em textos românticos; e estes proporcionavam uma fuga nostálgica da Era Industrial para uma era regida pela natureza e pela magia, povoada por guerreiros heróicos e por donzelas de pele clara.

Os poetas e os pintores de cada país redescobriram o seu próprio passado céltico: a Irlanda dirigiu o olhar para as lendas, como os contos de CuChulainn e de Fianna ou Feniana; o País de Gales teve a saga heróica de Pryderi no Mabinogion; o poeta escocês James Macpherson (1736 - 1796) forjou as suas Ossionic Ballads (Baladas Ossiânicas), reivindicando serem traduções de um poema gaélico, do século III, chamado Ossian; a Inglaterra ressuscitou as lendas do Rei Artur, em obras como o poema de Tcnnyson, Idjlls of the King (Idílios do Rei).

 Os Celtas

O Romantismo impregnou os mitos com as suas próprias noções românticas e manteve, frequentemente, os elementos de medievalismo cristão que ficaram ligados às primeiras versões escritas. A visão romântica do Crepúsculo Céltico continua a influenciar a nossa percepção dos Celtas no fim do século XX. Precisamos, igualmente, dos nossos mundos de sonho, pelo que a palavra céltica evoca misteriosas paisagens banhadas pelo luar, com sacerdotes druidas de vestes brancas, celebrando estranhos rituais e preparando poções mágicas.

A arte céltica, particularmente na joalheria tem um encanto abstrato que lhe é próprio, denotando ainda uma atração por um passado desconhecido. A literatura céltica tem um encantamento semelhante, o narrador leva-nos de um mundo de gente e de lugares aparentemente reais para terras fantásticas de fadas e de monstros; e tal descrição é fácil de nos enfeitiçar por essa cultura. Devemos perguntar-nos se os próprios Celtas entendiam a sua religião como um mistério e os seus poemas como fugas ao mundo real, como forma de conexão com o Outro Mundo.

As respostas não surgem prontamente: os Celtas não escreveram as suas histórias. Portanto, limitamo-nos, a saber, quais eram os seus costumes e o seu comportamento pelo testemunho dos autores contemporâneos gregos e romanos, se bem que a sua visão dos Celtas fosse tão mítica quanto a nossa... E para isso, precisamos aprofundar-nos no assunto: Visão geral sobre os mitos celtas.

Contudo, a arqueologia tem confirmado algumas das observações mais radicais dos escritores clássicos: se os Celtas praticavam realmente sacrifícios humanos e eram caçadores de cabeças. A arqueologia também aumentou os nossos conhecimentos quanto à maneira como os Celtas viviam, praticavam o culto e enterravam os seus mortos. A datação arqueológica confirma também os achados célticos e nos informa sobre o passado pré-histórico dos Celtas.

Existiu uma cultura reconhecidamente “proto-céltica” ao redor do Danúbio superior no ano de 1000 a.C. Contudo, alguns arqueólogos defendem agora uma muito espalhada e gradual “celtização” de culturas que existiam já na Idade do Bronze na Europa Setentrional e Meridional; assim, a Bretanha céltica podia mesmo remontar a 1500 a.C., quando a cultura de Wessex possuía características sociais heróicas em conformidade como os primitivos mitos célticos irlandeses.

Fonte bibliográfica:

Introdução à Mitologia Céltica de David Bellingham

Rowena Arnehoy Seneween ®

Direitos Autorais
A violação de direitos autorais é crime. Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon, entre outras proteções de propriedade intelectual, aos seus respectivos autores. Solicitações para reprodução devem ser feitas por e-mail .

Veja Também
Os Celtas
Deuses Celtas
Língua Gaélica
Irlanda Ancestral
Tuatha Dé Danann
As Faces da Deusa
Indique esta página a um amigo! Preparar para Impressão 

Go raibh maith agat... Obrigado!