Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

Reconstrucionismo Celta

Reconstrucionismo Celta (RC) ou Paganismo Reconstructionista Celta (PRC) é um movimento politeísta, animista, religioso e cultural, que surgiu como uma tradição independente, a partir dos anos 90.

Reconstrucionistas Celtas buscam, através das suas práticas, reconstruir e reviver, em um contexto cultural, linguístico e religioso, as culturas celtas pré-cristãs nos dias de hoje, inspirados em pesquisas sérias sobre: mitologia céltica, arte, história, arqueologia, antropologia e idiomas originais, ainda existentes.

Como mencionamos anteriormente, a prática reconstrucionista visa o resgate fiel das crenças religiosas, sem que com isso, haja uma conotação revivalista. Ao reviver uma religião antiga, não há a pretensão de reinstituir sua política ou os costumes sociais de uma cultura, apenas de se conhecer e entender o seu "modus operandi", adequando-o à vida contemporânea, na medida do possível.

O caminho dentro do Reconstrucionismo Celta está sempre em constante crescimento e evolução, assim como todos nós. Ao compartilhamos alguns dos princípios deste movimento, para sua melhor compreensão em nossa caminhada espiritual junto ao Druidismo, descreveremos, a seguir, como ele é entendido e vivenciado dentro do Paganismo Celta.

Embasados nesta belíssima tríade irlandesa: "As três velas que iluminam qualquer escuridão: o Conhecimento, a Natureza e a Verdade." Que assim seja!

 Rowena Arnehoy Seneween ®

Principais Crenças
Tradução Luciana Cavalcanti 2005

Acreditamos que existam vários Deuses e que eles são entidades distintas e independentes merecedoras de culto. Acreditamos, também, que os ancestrais e espíritos da terra/natureza são entidades individuais merecedoras de reconhecimento e reverência. Essas entidades, por sua vez, existem num grupo coeso e não isolado dividido por categorias.

A maioria dos Reconstrucionistas Celtas acreditam que as deidades e espíritos, agem nesse mundo e em suas vidas pessoais, influenciando-os e respondendo às suas preces e oferendas. Alguns acreditam que não apenas os animais e as árvores possuem almas, mas montanhas, rios, poços sagrados e outros fenômenos naturais, também.

Alguns acreditam que objetos criados podem ser imbuídos de espírito. Indivíduos e grupos frequentemente seguem uma ou mais deidades que consideram especial ou tutelar, particularmente, ligados a sua região ou ao foco de atividades. Muitos indivíduos se dedicam a uma ou mais deidades patrono/matrona.

As deidades celtas são o principal foco de nosso culto. Quando um reconstrucionista celta trabalha com deidades de outras culturas, ele o faz separadamente e de forma considerada culturalmente propícia àquelas deidades. Praticantes de reconstrucionismo celta raramente misturam ou escolhem espíritos e/ou divindades de diferentes culturas - até mesmo de diferentes culturas celtas - num mesmo ritual. Se isso acontecer, será sempre com respeito a cada cultura e deidade envolvida.

Todas as deidades são respeitadas, mas nem todas são cultuadas. Certos na crença de que cada deidade tem desejos e personalidades individuais, reconstrucionistas celtas preocupam-se em invocar e trabalhar com àquelas que tenham afinidade umas com as outras, segundo o conhecimento.

Muitos reconstrucionistas celtas vêem o Cosmos na maneira dos Três Reinos: Terra, Mar e Céu. Outros consideram: Submundo, Mundo Intermediário e Mundo Superior, no seu entendimento de cosmologia. Ainda há outros que considerem a ideia do Outro Mundo ou Outros Mundos coexistentes ao nosso.

Todos esses "Outros Mundos" são considerados reais e acessíveis àqueles que possuem habilidades especiais. Em todas essas abordagens, o fogo exerce um papel diferente da visão neo-pagã. O fogo, particularmente, o que vem da água ou da inspiração sagrada, pode ser visto como símbolo do Imbas (irlandês) ou da Awen (galês) - a inspiração poética. Alguns vêem isso como o pivô central sobre o qual o Cosmos gira - equivalente espiritual a árvore do mundo.

A árvore da vida é entendida como o centro do Cosmos, sob a qual os vários mundos são suspensos ou da qual eles crescem. Essa árvore pode ser fisicamente representada tanto como uma árvore real, como por uma coluna, que pode ser a coluna central ou o pilar de sustentação de uma área de ritual ou de uma casa, a Bilé sagrada.

Deuses e espíritos são reconhecidos como semelhantes a nós, possuindo desejos e vontades, onde não são, necessariamente, bondosos e amorosos o tempo todo.

Os elementos são discutidos ou usados em nossos rituais (e nem todos os reconstrucionistas celtas o fazem), onde o número varia de sete a onze, baseados no conceito de diferentes aspectos do mundo físico, como: chuva, sol, nuvens, plantas, pedras, solo, mar, vento e outros.

Nos ramo irlandês e escocês do Reconstrucionismo Celta, o corpo é visto como contingente de uma estrutura energética interna na forma de três caldeirões, de onde provem e se processa a energia de inspiração vinda das deidades. O estado dos caldeirões, no corpo, reflete seu estado de saúde física e emocional. Os trabalhos de cura e meditação são realizados com a visualização dos Três Caldeirões.

Homens e mulheres são iguais em poder e capacidade na liderança de grupos reconstrucionistas. Ambos ocupam cargos de pesquisadores, estudiosos, clérigos, guerreiros, artesãos e lideres tribais. É dada igual reverência aos Deuses e Deusas.

Ainda que muitas pessoas de ancestralidade celta sejam adeptas do movimento, ser descendente dos Celtas não é obrigatório. Respeitamos todos os nossos ancestrais e professores, sendo eles Celtas ou não. Muitos de nós não possuem nenhuma ancestralidade Celta, mas aceitamos o povo Celta, como ancestrais espirituais em nossa busca pessoal.

Sabemos que toda a humanidade se originou na África, acreditamos que somos todos irmãos de uma grande família, com um só sangue. Celtas reconstrucionistas são todos fortemente anti-racismo e abertos as pessoas de todas as cores, raças e etnias e que desejem seguir as divindades celtas no estilo reconstrucionista. O conhecimento de outras culturas, também, seve como um maravilhoso ‘feedback’ para examinarmos e validarmos o conhecimento que vem de nossa inspiração individual.

Devido ao nosso elo com os espíritos da natureza e ao fato de que a Terra onde vivemos é sagrada, muitos celtas reconstrucionistas consideram o envolvimento com o meio ambiente e o ativismo, uma parte fundamental de suas práticas.

Muitos se empenham em conhecer a ecologia local, considerando de vital importância conhecer plantas, pássaros e animais, bem como uma maneira de se conectar com o território em que vivem e os espíritos da natureza. O ativismo ecológico e o ecofeminismo, também, fazem parte das práticas individuais do movimento reconstrucionista.

A metáfora natural é uma coisa comum na linguagem dos filósofos, ritualistas e pensadores reconstrucionistas, nós absorvemos tudo isso, através da longa tradição de poesia natural e do misticismo das terras Celtas.

Pesquisa, misticismo e inspiração pessoal são todos valiosos no Reconstrucionismo Celta. Estudo e conhecimento teórico são profundamente respeitados no movimento. Entendimento e apreciação histórica também são importantes. O conhecimento das línguas celtas não é necessário, mas um vocabulário prático de termos técnicos é valorizado e respeitado dentro do movimento. Alguns conduzem os rituais parciais ou inteiramente em língua celta, quando possível.

A inspiração individual e os frutos dessa meditação, êxtase e trabalhos misticamente orientados, também, são altamente valorizados. Todos são debatidos, compartilhados e examinados para que sejam incluídos às praticas individuais ou grupais.

Os clérigos podem ser curandeiros, adivinhadores, filósofos e teólogos do movimento, ainda que nenhuma dessas atividades seja exclusividade dos membros do clero. O Reconstrucionismo Celta descreve-os como sendo: "Draoi ou Filidh".

Artesãos, escritores e poetas, são descritos como: Aes Dána ou "pessoas da arte".

Cada grupo se organiza de maneira diferente, não existe uma estrutura universal no Reconstrucionismo Celta. Alguns se identificam como Bosques, outros como Tribo, Tuatha ou Thuat. Outros preferem famílias ou se organizam em colégios druídicos, escolas, ordens, etc. Não há regras governando a criação ou a prática de um grupo, a não ser, os princípios gerais e éticos da própria tradição em si.

Praticantes do reconstrucionismo celta acreditam que há limites, para o que se pode e o que se deve fazer, num senso ético e social, baseado em conceitos tirados das "Brehon Laws", da Irlanda e outras fontes tradicionais, tais como: As Instruções de Morann Mac Main ou as Tríades Irlandesas e Galesas.

Alguns reconstrucionistas celtas submetem-se as "Nove Virtudes", que são: Verdade, Honra, Justiça, Lealdade, Coragem, Generosidade, Hospitalidade, Força e Perseverança.

As pessoas dentro do movimento podem ser veteranos ou pacifistas, por vezes, ambos. O posto do guerreiro é visto como de um legítimo protetor da tribo. Reconstrucionistas celtas rejeitam veementemente racismo, sexismo, homofobia e qualquer forma de discriminação que divida as pessoas em grupos rivais.

Dias Sagrados

Reconstrucionistas Celtas seguem os Quatro Grandes Festivais dos antigos celtas, são eles:

• Oíche Shamhna / Samhain
• Lá Fhaile Bríde / Oímealg
• Lá Bealtaine / Bealtaine
• Lá Fhaile Lœnasa / Lughnasadh

Grupos e praticantes isolados podem pronunciar ou nomear esses festivais de diferentes maneiras, conforme a linguagem da cultura que estejam almejando reconstruir. Os nomes podem ser em galês, córnico, gaulês ou em outro idioma. Reconstrucionistas gauleses, geralmente, celebram os festivais de acordo com o Calendário de Coligny.

Alguns grupos e indivíduos somam aos quatro grandes festivais, outros festivais de devoções à deidades individuais ou de acordo com o clima local ou um fenômeno natural local, que tenha um significado para eles. No pacífico noroeste, por exemplo, os reconstrucionistas celtas celebram um festival anual na época dos salmões. Outros celebram um festival à Épona no começo de dezembro ou em Man, eles paguem tributos à Manannan, por volta do solstício de verão. E assim por diante.

Modos de culto

O culto varia enormemente no movimento reconstrucionista. As semelhanças se encontram mais na concordância filosófica do que na consistência dos padrões rituais entre os grupos. Reconstrucionistas celtas não traçam círculos, ao contrário de muitas outras tradições neo-pagãs. Sentimos, no movimento, que o mundo inteiro é sagrado e assim não temos que delinear o que é ou não sagrado. Alguns reconhecem 4 ou 12 ventos, marcando divisões no mundo em quadrantes ou províncias.

A maioria dos reconstrucionistas montam altares, lareiras ou santuários em suas casas, alguns dedicados a deidades individuais, outros a espíritos ou ancestrais. Alguns montam altares com propósitos mágicos específicos, como cura ou inspiração. Muitos altares não têm forma padrão em mesas com objetos, podem ser em uma raiz de árvore, um monte de pedras ou uma fonte de água.

Divindades são chamadas para o nosso culto, como convidados e como foco de nossa devoção. Espíritos e ancestrais, também, são convidados. A maioria dos rituais envolvem oferendas de comida, bebida, incenso e outras coisas. Às vezes, são feitos pedidos as deidades, espíritos ou ancestrais, ainda que essa não seja a razão principal do ritual. A divinação, frequentemente, é feita após a entrega de uma oferenda.

Muitos reconstrucionistas celtas consideram cada ação diária como uma forma de ritual. Alguns buscam inspiração no "Carmina Gadelica", criando músicas e orações para cada etapa do seu dia. Outros fazem oferendas, quando estão colhendo ou lidando com ervas. Alguns rituais são tão importantes quanto os quatro festivais principais.

Normalmente, reescrevemos nossas preces e feitiços de fontes medievais. E não acreditamos que um ritual deva ser formal, para ter efeito ou ser útil. As ações diárias estão alinhadas com a cultura celta, baseadas num estilo de vida tribal. A magia é parte da prática do movimento. Reconstrucionistas não trabalham nos formatos platônicos, hermético ou de magia cerimonial.

O Ogham é um veículo comum de adivinhação, assim como, a análise de penas de um pássaro ou o observar das nuvens. O sonho e as visões são importantes fontes de inspiração e de divinação. A poesia e a música, frequentemente, são vistas como componentes fundamentais da magia reconstrucionista.

Feitiços elaborados, a partir de feitiços encontrados no folclore celta tradicional são constantemente usados em poemas cantados para aumentar seu poder. A reverência aos Deuses e a ajuda dos espíritos, fazem parte de toda a magia reconstrucionista.

Fonte e créditos:

TRÊS MUNDOS - Paganismo Reconstrucionista Celta

 

Direitos Autorais
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon, entre outras proteções de propriedade intelectual, aos seus respectivos autores. Solicitações para reprodução devem ser feitas por e-mail. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.

Veja Também

Indique esta página a um amigo! Preparar para Impressão 

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!