Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

Tradições Nórdicas

A mitologia nórdica é conhecida como mitologia germânica, viking ou escandinava e se refere a uma religião politeísta pré-cristã, com uma série de crenças, mitos e lendas dos povos escandinavos, que preservaram as tradições nórdicas, mantidas até hoje no paganismo germânico, conhecidas como: Odinismo ou Asatru e Vanatru.

A palavra Asatru significa fé nos Deuses da raça de Esirs, que estão relacionados aos Deuses da guerra, que são: Odin, Friga, Thor, Tyr, Heindall, Loki, Baldur, Bragi, Iduna, etc.

E a palavra Vanatru significa fé nos Deuses da raça de Vanirs, que estão relacionados aos Deuses da fertilidade e são eles: Njord, Skadi, Freya, Frei, Aegir, Mimir, entre outros.

Dentro da tradição nórdica os Deuses são vistos de uma forma amigável e muito acessível, na qual são reverenciados, também, os espíritos da natureza e diversos espíritos guardiões tais como: os Dísirs (seres sobrenaturais femininos) e os Elfos.

Os princípios básicos seguidos são baseados em Nove Virtudes: coragem, verdade, honra, lealdade, hospitalidade, diligência, perseverança, disciplina e confiança. A partir destes princípios, os indivíduos podem decidir o curso de ação mais apropriado para uma determinada situação em suas famílias ou comunidades, perante os Deuses.

O Universo e tudo que nele existe está sempre evoluindo e nem mesmo os Deuses são considerados como todo-poderosos ou oniscientes, sendo assim, a perfeição não é necessária nem tão pouco esperada. 

Conforme os mitos nórdicos, os Deuses organizaram o universo a partir do caos. "Não há dúvida de que antes da criação do Universo não havia lugar onde os Deuses teriam vivido ou sequer morado. E, por Universo, entenda-se não apenas o céu e a terra, mas toda a extensão de espaço que a imaginação possa conceber." A maior fonte de pesquisa está no Prose Edda, conhecido como Eddas poética ou Edda em Prosa, uma coleção de poemas em norueguês antigo e preservados no manuscrito islandês Codex Regius, do século XIII, por Snorri Sturluson (1178 - 1241), que foi historiador, poeta e político islandês.

Enfim, pode-se dizer que a mitologia é a observação específica de uma era, civilização ou mesmo a cultura de um povo, sobre os mistérios existentes na mente humana e na sua religiosidade. Para se aprofundar nos mitos nórdicos, leia o livro: Deuses e mitos do Norte da Europa de Hilda. R. Ellis Davidson.

Bênçãos plenas!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Os Deuses e o seu mundo

"Eu sou o filho da Terra e do Céu estrelado, mas a minha origem é só o Céu."

O mundo tinha em seu centro uma grande árvore, um grande freixo chamado Yggdrasil. Essa árvore era tão grande que os galhos de estendiam tanto pelo céu quanto pela terra. Três raízes sustentavam o grande tronco; uma passava pelo reino dos Esirs, outra ia até o reino dos gingantes do gelo e a terceira no reino dos mortos. Sob a raiz na terra dos gigantes havia a fonte de Mimir, cujas águas continham sabedoria e entendimento. Odin dera um dos olhos para ter direito de beber um único gole daquela preciosa água.

A árvore formava um elo entre os diferentes mundos. No princípio, havia duas regiões: Muspell no sul, repleta de brilho e fogo; e um mundo de neve e gelo no norte. Entre os dois se estendia no grande vazio de Ginnungagap ou o caos. Onde o calor e o frio se encontravam no meio da expansão, um ser vivo aparecia no degelo, chamado Ymir. Era um gigante e debaixo do seu braço esquerdo nasceram o primeiro homem e a primeira mulher, enquanto de seus dois pés a família dos gigantes do gelo foi gerada.

Ymir alimentava-se do leite de uma vaca, que lambia os blocos de gelo salgado e produziu um novo ser, um homem chamado Buri. Ele teve um filho chamado Bor e os filhos de Bor eram os três Deuses: Odin, Vili e Vê. Esses três mataram Ymir, o antigo gigante, e todos os gigantes de gelo, exceto um, Bergelmir, se afogaram no sangue que dele jorrou.

Do corpo de Ymir, eles formaram o mundo dos homens: ... de seu sangue o mar e os lagos, de sua carne a terra, e de seus ossos as montanhas; de seus dentes e maxilares e outros ossos semelhantes que se quebraram, formaram-se as rochas e os pedregulhos. Da cabeça de Ymir, eles fizeram a cúpula do céu, colocando um anão em cada um dos quatro cantos para sustentá-la e mantê-la firme acima da terra. Esse mundo dos homens era protegido pelos gigantes por uma muralha, feita das sobrancelhas de Ymir, e se chamava Midgard.

Os Deuses trouxeram à existência o tempo, enviando Noite e Dia para percorrer os céus em carruagens puxadas por velozes cavalos. Duas belas crianças, uma garota chamada Sol e um garoto chamado Lua, também foram colocadas por eles em caminhos através do céu. Sol e Lua tinham de movimentar-se rápido porque eram perseguidos por lobos, que pretendiam devorá-las. No dia em que o maior dos lobos conseguisse engolir o Sol, o fim de todas as coisas estaria próximo.

Depois que o céu e a terra se formaram, estava na hora de construir Asgard, o reino dos Deuses. Em Asgard havia muitos saguões maravilhosos, onde os Deuses residiam. O próprio Odin vivia em Válaskjálf, uma suntuosa morada com telhado de prata, de onde ele podia apreciar a vista de todos os mundos ao mesmo tempo. Ele tinha outra morada chamada Valhala, o palácio dos aniquilados, onde ele oferecia hospitalidade a todos que caíam em batalha. Todas as noites, ele fazia banquete com carne de porco que nunca acabava, e hidromel, que fluía no lugar do leite das tetas da cabra Heidrun, uma das criaturas que se alimentavam de Yggdrasill.

Os convidados de Odin passavam o dia em combate, e todos os derrotados eram reerguidos à noite para festejar com os outros. Chifres de hidromel eram trazidos a eles pelas Valquírias, as virgens de Odin, que também tinham de descer aos campos de batalha da terra e decidir o destino da guerra, convocando os guerreiros caídos para Valhala.

Mitologia Nórdica

Em algum lugar em Asgard, havia uma construção com um telhado de ouro, chamada Gimli, para onde iam os homens justos após a morte. Havia outros reinos além de Asgard, como Alfheim, onde viviam os belos elfos, e três céus, estendendo-se um depois do outro. Jötunheim, o reino dos Jotnar ou gigantes e Nifheim ou Nilflheim, a morada da escuridão, que ficava embaixo das raízes da árvore do mundo.

Fonte bibliográfica:

Hilda R. Ellis Davidson - Deuses e Mitos do Norte da Europa

Direitos Autorais
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon, entre outras proteções de propriedade intelectual, aos seus respectivos autores. Solicitações para reprodução devem ser feitas por e-mail. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.

Veja Também

Indique esta página a um amigo! Preparar para Impressão 

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!