Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

A pronúncia do Gaélico

Publicado por Rowena em 05/3/2013 (5612 leituras)

Primeiramente, a pronúncia do gaélico mudou com o tempo, assim como a do português ou de qualquer língua viva. A pronúncia do gaélico antigo não era a mesma do gaélico moderno.

Em segundo, muitos das figuras do Ciclo Mitológico (p. ex., Dagda, Dian Cécht, Nuada) desapareceram há séculos do imaginário irlandês. Em consequência, não há um "verdadeiro" modo moderno de pronunciar esses nomes. Eles pertencem a um período mais antigo da língua.

Em terceiro, o alfabeto usado pelos irlandeses, desde que começaram a escrever, é mais ou menos o mesmo que nós usamos, o alfabeto romano ou latino:

Aa Bb Cc Dd Ee Ff Gg Hh Ii Kk Ll Mm Nn Oo Pp Qq Rr Ss Tt Vu Xx Zz

Importante lembrar: Algumas dessas lestras (como h, k, q, z) eram pouco usadas e quase sempre em palavras derivadas do latim.

Em quarto, o gaélico tinha (e tem) muito mais sons do que o alfabeto romano permite registrar. Quase todas as consoantes chegam a ter 3 sons diferentes, as vogais podem ser longas ou breves, além de outras peculiaridades que tornam extremamente difícil representar a pronúncia. Essa é a razão do aspecto absurdo de uma página inteiramente escrita em gaélico.

Logo, as indicações abaixo são meramente aproximativas e referem-se ao gaélico antigo.

Áine - ánya
Óengus - engus (u como no inglês bus)
Badb - bádhv (dh como th no inglês that)
Bile (árvore sagrada) - bílyuh
Boann - búann
Brigit - bríydj
Cailleach - kályex (x tem o som do j em espanhol)
Dagda - dárrda (rr é o som do r francês)
Danu - dánu (mas o nome não existe na literatura)
Dian Cécht - djyán kyéxt
Ériu - éry-u
Flidais - flídhash
Goibniu - góvynyu
Ler - lyer
Lugh - lug (como o g de agora)
Macha - máxa
Manannán mac Lir - mánannaan mák lyir
Morrígu - mór rígu
Nuadu - nuadhu (u como no inglês bus)
Ogma - órrma (rr como acima)
Scathach - skáthax (th como no inglês think)

Bellouesus /|\

Bellouesus Isarnos
Assim, considera-te recepcionado, com meus votos de encontrares aqui algo que desperte teu interesse ou, na pior das hipóteses, não te entedie.

Bellodunon:
www.bellodunon.wordpress.com
Nemeton Beleni:
www.nemetonbeleni.wordpress.com
Scribd:
http://pt.scribd.com/Bellovesos

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio Lugh, o brilhante! A Canção de Amergin Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!