Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

24° Dia: Trabalho

Publicado por Rowena em 19/3/2012 (1581 leituras)

Ah, o trabalho! Evoluir dá muito trabalho, requer estudo, prática e ação. Quem está disposto a caminhar o tal quilometro extra atrás dos seus sonhos? A realização pessoal caminha entrelaçada à espiritualidade, desde o simples fato de sair da cama até as empreitadas do serviço cotidiano, ordenadas através de um ritual, seja você consciente ou não da sua sacralidade.

Os povos celtas viviam em tribos e cada tribo possuía seus Deuses patronos, compartilhados até por tribos vizinhas, além da variedade de Deuses, seres espirituais, valores ou costumes - voltados à agricultura e às artes - que não eram vistos apenas como personificações de funções ou virtudes, pelo contrário, todos os Deuses possuíam várias funções diferentes, podendo ser de proteção e destruição ao mesmo tempo. Entre eles não havia o conceito de um único Deus, a sua forma de interpretação da religião, reconhecia os ciclos da natureza e a própria fertilidade como um princípio sagrado, intimamente ligado às deidades locais e seus mitos. As lendas e os mitos celtas nos revelam a existência do Outro Mundo, oculto entre colinas, lagos, rios, névoas e bosques sagrados.

"Na sociedade celta abaixo do rei estava à classe dos guerreiros, dentre os quais o rei era selecionado. Os clãs guerreiros possuíam valorosas propriedades, o que lhes permitiam a posse de armas e cavalos necessários para o combate. Com o status igual ao dos guerreiros, estavam os indivíduos do saber - druidas, bardos e artesãos altamente qualificados, os ferreiros. Abaixo desses grupos, considerados nobres, estavam as famílias de agricultores, que compunham quase toda a população. Os agricultores eram livres, mas deviam pagar taxas e prestar serviço militar em guerras, aos seus reis e nobres. Além dos escravos, existentes em algumas tradições." Conforme relata o professor Philip Freeman.

Como vimos, os celtas exerciam muitas funções no trabalho comum, dentro da sua sociedade, podiam ter variadas ocupações, cada qual com a sua vocação e o seu dom, como por exemplo: agricultores, tecelões, criadores de animais, caçadores, guerreiros, ferreiros e mestre dos metais, entre outros.

Para muitas pessoas da atualidade esse elo com o passado se perdeu.

O mundo mudou e muitos se esqueceram da sua ligação com os Deuses, as raízes antigas, a natureza, a sua ancestralidade espiritual e, principalmente, com aqueles que caminharam nestas terras antes de nós. Procurar por essa conexão requer um trabalho contínuo de investigação, estudo e pesquisa, voltado ao resgate dos costumes e das línguas celtas, um trabalho bem custoso, diga-se de passagem. E que exige um total comprometimento pessoal daqueles que decidirem seguir por esse caminho.

Muitos podem não entender e perguntar qual o motivo de tanto empenho?

Posso dizer apenas que é uma escolha pessoal, meramente intuitiva!

E, para alguns, reconectar-se com essa energia, será uma tarefa fácil, tal como retornar ao lar, mas, para outros, será uma luta constante, tamanhas são as resistências em mudar e sair do comodismo.

Os antigos usavam sabiamente a força guerreira, pois um guerreiro virtuoso vivia na verdade e, acima de tudo, agia com honra e sinceridade - tornando-a parte da sua lenda pessoal.

"Às vezes, a maestria num caminho incluía o estudo de outro, como na exigência para ser um dos guerreiros de Fianna, ao serem capazes de memorizar, compor e declamar vários poemas. As artes do guerreiro requeriam disciplina física similar à dos praticantes das artes marciais e podiam levar uma vida inteira para dominá-las, assim como as artes de um druida."

O caminho do Guerreiro Celta se assemelha a uma antiga parábola xintoísta sobre a espada, que diz que ela precisa ser escaldada no fogo ardente, alternada entre marteladas e água fria, continuamente, até que possa ser considerada uma boa espada.

Que assim seja!



Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 23° Dia: Comunidade 25° Dia: Pisando Leve Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!