Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

4. Salgueiro (Sail/Willow = S)

Publicado por Rowena em 23/10/2012 (3616 leituras)

O Salgueiro relaciona-se à visão noturna, ritmos lunares e os aspectos femininos. Ligado a sabedoria das Deusas da morte, como Morrighan, nos dá força para superar as fraquezas provocadas pelo medo.

S, Sail

>-,,,,-

O Salgueiro - A Lua

Como se diz: sále (engula o e para não dizer sáli)
Tradução: salgueiro
Nome científico: gênero Salix, família Salicaceae, com diversas espécies
Irlandês antigo: sail
Galês: helygen
Significados básicos: a Lua, feminilidade, morte
Inglês: willow
Classe: camponês
Cor: sodath, “uma cor delicada” (como amarelo claro ou marfim, por exemplo)



Bríatharogaim:

Bríatharogam Maic ind Óc
Sail: lúth bech, "sustento de abelhas"

Bríatharogam Con Culainn
Sail: tosach mela, "princípio da doçura"

Bríatharogam Morainn mac Moín
Sail: lí ambi, "palidez do morto"

Comentários:

A ligação do salgueiro ("chorão") com a morte é antiga. Talvez o motivo seja a aparência desconsolada dos ramos abatidos e das folhas finas do salgueiro, ou porque ele cresce em lugares úmidos e sombrios, ou porque suas folhas de um verde pálido sugerem a lividez da morte.

Em contraste a essas associações lúgubres, o salgueiro é também o emblema do artesanato. Seus ramos longos e flexíveis fornecem o material para muitos itens úteis e práticos: cestos, assentos, cercados, cabanas e, até mesmo, botes. O tradicional bote irlandês chamado curragh é feito pelo estiramento de uma pele impermeável sobre uma armação de ramos de salgueiro entrelaçados.

Unindo as imagens da morte e do trabalho manual, Sail torna-se um emblema de magia e mistério. É o salgueiro na margem do rio, com suas folhas no ensolarado mundo quotidiano e suas raízes no escuro e úmido mundo inferior. A misteriosa serpente marinha que vive além dos limites do mundo conhecido e o trabalho em que o adepto parte em uma viagem para o desconhecido.

O salgueiro esteve presente em A Batalha das Árvores, pois Taliesin diz:

Os Salgueiros e Sorveiras chegaram tarde para o exército.

Sagragnos: a Intuição. Sail é o salgueiro, a jovem esbelta, graciosa. É a visão e a imaginação intuitivas, soltas. É o sonho e a compreensão súbita do que ele significa. É a Lua que se movimenta em seus ciclos. É a cheia e a vazante das marés. É a mulher. É a vida. É a roda. É o nascimento de um ciclo psíquico, a abertura das páginas do livro do mistério. É o crescimento da vegetação. É o desenvolvimento dos aspectos meditativo e psíquico do ser. É a harmonização conjunta. É o progresso no trabalho mágico, solitário ou com outros. É obtenção supra-racional da percepção, qualquer que seja a realidade revelada. Um aspecto deste caractere pode ser a sugestão de que é agora o tempo de dar mais atenção à intuição, incluindo-se os sonhos. Também pode ser o desejo de aprontar-se, abrangendo tomar medidas práticas, estar pronto a responder à inspiração, permitindo-se um período de criatividade artística. Como em todas as fontes de conhecimento, o equilíbrio é o melhor e é possível empregar a análise racional de quaisquer sugestões que sejam transmitidas.

Coslogenos: tristeza, mágoa, liberação da dor, torpor, deixar partir, ir embora. Invertida: afundar-se em miséria, estagnação.

Coirí Filidechta - Os Caldeirões da Poesia:

Coire Goiriath (Caldeirão do Aquecimento), físico: uma relação confortável com o mundo material está cheia de lições e ciclos de valores mutáveis. A mudança é necessária para o crescimento e os valores não são exceção à regra.

Coire Érmai (Caldeirão do Movimento), emocional/mental: para ganhar compreensão de um conceito particular, uma firme acumulação de fatos é o fundamento que traz a compreensão. Não se pode aprender tudo em uma só lição. Repetição é a chave.

Coire Sois (Caldeirão da Sabedoria), espiritual: este é um período mais de calma que de ir adiante com toda a velocidade. Aprenda a brincar com a natureza cíclica das coisas.

Por Bellovesos /|\

Bellouesus Isarnos
Assim, considera-te recepcionado, com meus votos de encontrares aqui algo que desperte teu interesse ou, na pior das hipóteses, não te entedie.

Bellodunon:
www.bellodunon.wordpress.com
Nemeton Beleni:
www.nemetonbeleni.wordpress.com
Scribd:
http://pt.scribd.com/Bellovesos

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 3. Amieiro (Fearn/Alder = F) 5. Freixo (Nion/Ash = N) Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!