Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

9. Aveleira (Coll/Hazel = C)

Publicado por Rowena em 23/10/2012 (3439 leituras)

A Aveleira representa intuição, inspiração, suavidade, sabedoria direto da fonte (origem) e ligação ancestral. É o símbolo do salmão e da essência profunda que revela toda a verdade.

C, Coll

>-''''-<

A Aveleira

O Três vezes Três
Como se diz: câll (não câu ou cáu)
Tradução: aveleira
Nome científico: Corylus avellana
Irlandês antigo: coll
Galês: collen
Inglês: hazel
Significados básicos: inspiração, intuição, suavidade
Classe: chefe
Cor: cron, “castanho”



Bríatharogaim:

Bríatharogam Maic ind Óc
Coll: carae blóesc, “amiga das cascas de noz”

Bríatharogam Con Culainn
Coll: milsem fedo, “mais doce árvore”

Bríatharogam Morainn mac Moín
Coll: cáiniu fedaib, “mais bela árvore”

Comentários:

Nos tempos antigos, um bastão de aveleira era a insígnia de um arauto. Nos contos de Cúchulainn, um arauto é descrito como usando um broche castanho num esplêndido manto marrom e carregando um bastão polido de aveleira. Ramos de aveleira eram usados por rabdomantes para a localização de água ou tesouros enterrados. Como o arauto, Coll explica, revela e torna conhecido.

Ao mesmo tempo, Coll é humilde, simples e despretensiosa. O arauto aponta para algo maior do que ele mesmo; Coll surge vestida não em cores brilhantes, mas em modesto castanho. A madeira da aveleira era usada para objetos de uso quotidiano, como cestos, estacas para plantas e grades de secagem. Coll lembra a imagem da coleta de nozes em bosques outonais, de partir e comer as nozes doces ao redor do fogo em longos entardeceres de inverno, os sons suaves da harpa e as palavras familiares de um conto bem conhecido. Sem dúvida, algumas tradições ligam Coll a Brighid, guardiã da lareira.

Recorra a Coll para guiá-lo rumo às doçuras da vida: doces nozes, água doce, música suave, os prazeres do conhecimento e o conforto do seu próprio lar.

Sagragnos: a Inspiração. Coll é a aveleira, é inspiração, é a cintilação da idéia que salta para dentro da mente, é a fonte de que fluem a poesia e todas as artes. É a voz das Musas ressoando na mente, a qual irá traduzir-se em matéria, forma física, substância sólida, em música, canção, drama, arte, estruturas, edifícios, instrumentos científicos, deduções filosóficas, ritos e rituais religiosas, crenças e religiões, qualquer coisa surgida da inspirada mão da humanidade. É a meditação, embora não primordialmente as premeditadas técnicas para silenciar as muitas vozes da mente, ou para aprender a concentrar-se num item em particular, simples ou complexo, como fruto da meditação, não importando quais métodos e técnicas sejam empregadas como sementes desse fruto. Coll é o aspecto da divinação que é a aurora da percepção sobre a realidade, para que possamos trilhar nossos próprios caminhos produtivamente, saltando, correndo, andando à toa, dançando com criatividade, buscando com qualidade uma realidade inspirada. Como toda fonte de conhecimento e percepção, a inspiração pede avaliação equilibrada e consciência consciente.

Coslogenos: refexão, contemplação, auto-avaliação, paz, meditação. Invertida: retorno às raízes, olhar para o passado, ir às origens.

Coirí Filidechta - Os Caldeirões da Poesia:

Coire Goiriath (Caldeirão do Aquecimento), físico: sua habilidade em poesia, divinação e meditação permite que você inspire outros a aumentarem suas capacidades nessas artes. O exemplo é o melhor professor.

Coire Érmai (Caldeirão do Movimento), emocional/mental: permita às reações da sua intuição trazerem idéias à superfície. Torne-se um catalisador para essas idéias.

Coire Sois (Caldeirão da Sabedoria), espiritual: siga sua intuição para a fonte, você será premiado com sabedoria e sua alma ressoará com poesia.

Por Bellovesos /|\

Bellouesus Isarnos
Assim, considera-te recepcionado, com meus votos de encontrares aqui algo que desperte teu interesse ou, na pior das hipóteses, não te entedie.

Bellodunon:
www.bellodunon.wordpress.com
Nemeton Beleni:
www.nemetonbeleni.wordpress.com
Scribd:
http://pt.scribd.com/Bellovesos

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 8. Azevinho (Tinne/Holly = T) 10. Macieira (Quert/Apple = Q) Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!