Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

11. Videira (Muin/Vine = M)

Publicado por Rowena em 24/10/2012 (4381 leituras)

A Videira ou Trepadeira é uma Fid de profecia, desejo e força. A intuição como guia, a alegria como inspiração. O seu ensinamento é profundo.

Aicme Muine: M, Muin

>-/-<

A Videira - O Primeiro Encontro

Como se diz: mun
Tradução: pescoço, a região superior das costas, ardil, astúcia, amor, estima
Nome científico: planta do gênero Vitis (como a videira, Vitis vinifera) e, por extensão, qualquer planta semelhante, trepadeira ou rastejante
Irlandês antigo: finemhain
Galês: gwinwyden
Inglês: vine (refere-se à videira e a várias outras plantas semelhantes)
Significados básicos: profecia
Classe: chefe
Cor: mbracht, “variegado” (multicolorido)
Observação: a videira não é nativa da Irlanda.



Bríatharogaim:

Bríatharogam Maic ind Óc
Muin: árusc n-airlig, “próverbio de matança”

Bríatharogam Con Culainn
Muin: conar gotha, “caminho da voz”

Bríatharogam Morainn mac Moín
Muin: tressam fedmae, “mais forte no esforço”

Comentários:

Na tradição céltica, as trepadeiras são honradas como as mais fortes das plantas, pois podem enlaçar outras plantas e submetê-las a sua vontade. A videira e a amoreira são muito semelhantes e ambas são utilizadas para fazer vinho e cozinhar.

Para aqueles porventura familiarizados com a expressão (encontradiça em língua inglesa) clinging vine, “trepadeira pegajosa”, significando brandura e dependência femininas, uma trepadeira pode ser uma escolha estranha como planta que simboliza a força viril. Para os antigos celtas, no entanto, sua capacidade para capturar e possuir assemelhava-se à própria essência da masculinidade. No par macieira-azevinho, simbolizando a união sexual, a fecunda macieira de raízes firmes representa o princípio feminino, enquanto a envolvente trepadeira do azevinho representa o masculino.

Escolha Muin quando necessitar de força, especialmente quando quiser conquistar, sobrepujar ou submeter alguma coisa. Como um boi, um exército ou a ameaçadora imagem de uma matilha de lobos armados com lanças, Muin é uma poderosa força para o bem ou para o mal. Se a escolher, use-a sabiamente.

Sagragnos: a Tecedura. Muin é a videira, é a tecelagem, a paciente transformação daquilo que o passado nos deu numa vestimenta adequada para o presente e para o futuro. As idéias que pensamos, os sentimentos de nossos corações mesclam-se em padrões que enfeitam brilhantemente nosso ser. Crescendo do chão daquilo que no passado conhecemos, regados por todas as lágrimas que derramamos e aquecidos por todas as alegrias dos dias passados e pelos sorrisos de nossas conquistas anteriores, cresce a vinha do nosso ser. Nossa atenção cuidadosa ajudará seu crescimento vigoroso e firme e o amadurecimento dos cachos que nela brotarem, a colheita de nossas realizações, um rico presente a todos os que recebermos como convidados para saborearem a delícia da hospitalidade de nosso espírito.

Coslogenos: embriaguez, in uino ueritas (“no vinho a verdade”), um segredo escapa. Invertida: caos, escuridão, discórdia, confusão.

Coirí Filidechta - Os Caldeirões da Poesia:

Coire Goiriath (Caldeirão do Aquecimento), físico: relaxe. Se, num nível profundo, você sentir que deve agir de determinada maneira, a fim de lidar com um assunto, deixe que a intuição o guie.

Coire Érmai (Caldeirão do Movimento), emocional/mental: permita que seus sentidos se abram para acelerar o desenvolvimento interior. Aprenda a confiar neles quando estão atuando com força, ao invés de usar constantemente a razão.

Coire Sois (Caldeirão da Sabedoria), espiritual: abra os aspectos superiores de sua consciência para que possam colher e reunir todos os sinais e presságios que você for capaz de compreender.

Por Bellovesos /|\

Bellouesus Isarnos
Assim, considera-te recepcionado, com meus votos de encontrares aqui algo que desperte teu interesse ou, na pior das hipóteses, não te entedie.

Bellodunon:
www.bellodunon.wordpress.com
Nemeton Beleni:
www.nemetonbeleni.wordpress.com
Scribd:
http://pt.scribd.com/Bellovesos

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 10. Macieira (Quert/Apple = Q) 12. Hera (Gort/Ivy = G) Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!