Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

Versão revisada 2020 ®
Informações: clique aqui.

Loja Virtual - Anam Mór ®
E-BOOK DO LIVRO

ADF
Grupo Filiado

Agradecimentos
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons


Imbolg: texto de Iain MacAnTsaoir

Colunistas: Enviado em 30/07/2013 (2425 leituras)

Imbolg é o Festival da Bride. Ela é conhecida em todas as terras gaélicas, por diversas variações do mesmo nome: Brid, Bride, Brigit, Brighid, etc. Essas diferenças são o resultado da existência de vários dialetos diferentes da mesma língua. Uma das Deusas mais amadas entre as divindades célticas. A data do seu festival é dia 2 de fevereiro, na era comum.

O autor favorito dos gaélicos de todos os tempos é Fiona MacLeod. Os seus escritos são difíceis de se encontrar hoje em dia. No entanto, se alguma vez houve uma pessoa que era tão hábil com a palavra e evocou tanta emoção por meio da sua habilidade, foi ele. Certamente qualquer um pode notar em seus escritos, o amor que ele nutria por Bride. É apropriado que ele a tenha em tal estima. Leia a seguir trechos de várias de suas obras. Vemos neles não só a importância que Ela atribuiu ao povo gaélico, mas também a sua ligação ancestral com o mês de fevereiro.

"Eu ouvi muitos contos de Bride, um dos seres mais amados e amplamente reverenciados no antigo panteão gaélico. Eles são das ilhas e podem ser ouvidos em alguns locais dos "Sgeulachdan Gaidhealach", contos gaélicos que ainda são contados entre os marinheiros e os moradores das montanhas. "Brighid bhoidheach", a bela. Bride, não é raro em canções e hinos sazonais, pois quando seus sinais são vistos ao longe nas areias cinzentas, nas planície gramada dos prados, pela trilha do vale, pela rota branca do caminho, os habitantes da ilha sabem que o ano novo finalmente chegou, que a comida, calor e alegria estão vindo do sul. Em todos os lugares ela é homenageada neste momento. "Am fheill" Bride era até recentemente um festival de alegria em todo o oeste, das montanhas escocesas até as últimas margens da praia da Barra ou dos Lews; nas áreas montanhosas mais remotas da Escócia e nas Ilhas.

Cujo hálito é como aquela chama da canção flamejante; cujo o nome secreto é o fogo e a cura da alma radiante. Portanto, Ela é a personificação divina que representa toda poesia. Em suas veias corriam os elementos do ar e do fogo. Como alguém poderia esquecer que a qualquer momento, Ela podia apenas que se curvar acima dos mortos, e sua respiração e pulso voltariam acelerar o coração parado, o que era pó surgiria e ficaria feliz mais uma vez. Sim, a Bela Mulher de Fevereiro ainda é amada, ainda é reverenciada.

Na véspera deste feriado, Bride é convidada a entrar em casa. Velas são abençoadas. Os augúrios frequentemente são tirados nessa época. É a época em que os cordeiros nasciam. De Samhain a Imbolc era considerado inverno. Como havia poucas horas de luz do dia, durante a estação fria para trabalhar ao ar livre, a família passava o tempo ao redor do fogo que era a fonte de luz, calor e alimentos quentes. A lareira também era o ponto de encontro do "seannachaidh" (contador de histórias) que, com o fogo da inspiração, narrava as histórias do povo. O fogo sagrado está fortemente associado à Bride. Seu nome se traduz como "flecha de fogo". Um dos aspectos da Deusa é a poesia, a "chama da inspiração". Outro termo dado a Bride é "a chama no coração de todas as mulheres". Isso se relaciona com a autoridade absoluta da mulher na casa. Imbolc é um festival de fogo apenas para a família.

Durante o Imbolg, foi dada atenção especial ao fogo da lareira. Ao longo do dia era abastecido especialmente com madeiras específicas, para esperar a sua chegada. Grande cuidado era tomado ao acalmar o fogo naquela noite, quando uma vara de Sorveira era colocada no centro do fogo. Na manhã seguinte, antes do sol sair, o fogo era verificado na busca de sinais de uma bênção Dela. A marca em questão era uma forma que parecia com pegadas de um ganso ou cisne. Se a marca fosse encontrada, haveria um momento extremamente feliz para a família. As associações entre Bride e o ganso ou cisne também são encontradas em alguns dos encantamentos na Carmina Gadelica de Alexander Carmichael. O livro "The Language of the Goddess", da Dra. Maria Gimbutas, ajuda a compreender o significado da "Deusa Pé de Pássaro".

Uma variação desse costume é encontrada na Escócia, na véspera do dia de Santa Brigit. As mulheres da casa enfeitavam um feixe de aveia com roupas femininas. Elas colocam a boneca em uma cesta chamada "Cama de Brigit" ao lado de um bastão fálico. Então, elas gritariam três vezes: "Brid chegou, Brid é bem-vinda!" e deixam velas acesas no altar da casa a noite toda. Na manhã seguinte, elas procuraram uma impressão no bastão e nas cinzas da lareira. Como na outra versão, se o sinal estiver lá, elas saberiam que o ano seria próspero e fecundo. Um costume semelhante também foi encontrado na Ilha de Man chamado de "Laa’l Breeshey".

Ainda é comum na Irlanda encontrar pessoas fazendo Cruzes de Santa Brígida de junco ou palha. Acredita-se que seja, "derivado de uma cerimônia pré-cristã relacionada com a preparação de grãos de semente para crescer na primavera" - The Irish Times, 1 de fevereiro de 1977. Faz parte de um antigo costume chamado "Lá Fhéile Brid", onde começa com a coleta de juncos. À meia-noite eles são atados a pessoa designada para trazer os juncos que cobre a sua cabeça, depois os traz até a porta e bate à porta. A "Bean na Tighe" (a dona da casa) manda alguém atender a porta. Quando o portador dos juncos entra, a "Bean na Tighe" diz a ele: "Fáilte leat a Bhrid" (Bem-vinda, Brigit). Na era moderna, quem entra responde: "Beannacht Dé ar daoine na tighe seo" (Deus abençoe o povo desta casa).

Portanto, isso pode ser facilmente reconstruído. As pessoas da casa começam a fazer as cruzes na forma da "Cruz Celta" de braços iguais, que sabemos ser um signo solar. Visto que o Sol para os antigos gaélicos e outros celtas era feminino (a luz era masculina), podemos dizer que o símbolo solar das cruzes de junco era a própria Bride. Quaisquer juncos não usados eram enterrados. Depois que os juncos eram feitos, a família festejava. No dia de Imbolg, as cruzes feitas no ano anterior são queimadas e as novas penduradas na casa e em outros lugares da família. Elas devem ser queimadas e não descartadas de maneira aleatória ou profana.

Ainda é comum encontrar poços atribuídos a Ela. Tal como acontece com os outros dias do festival, também é comum encontrar pedaços de pano ou peças de roupa inteiras presas a árvores próximas a eles após a celebração. Parte do folclore sobre o clima nas terras gaélicas, diz que o tempo claro em Imbolg prenuncia mais inverno, enquanto o clima severo mostra que o inverno acabou. Tudo isso nos diz que este é um festival para o clã ou a família se reunirem em sua lareira para a festejar. Este é um festival para o lar.

Que assim seja!

Nova tradução. Texto revisado e atualizado em 14/09/2020. Publicação original: Clannada na Gadelica.

Rowena A. Senėwėen ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com

Para saber as referências bibliográficas e endereços de sites, usados para a pesquisa dos nossos textos e artigos, clique aqui. Leia, também, os artigos de Rowena A. Senėwėen.
Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites consultados na pesquisa dos artigos, clique aqui.

"O mundo está repleto de coisas mágicas,
 esperando pacientemente o crescimento
da nitidez dos nossos sentidos."
Poema de W. B. Yeats

Go raibh maith agat... Obrigada!
Rowena A. Senėwėen