Início Login     

O Mito de uma deusa-rainha chamada Macha

Enviado em 24/09/2010 (2644 leituras)

"(...) Em um passado remoto, cuja beleza transmitida por geraes e geraes que atravessam o ciclo dos tempos, viveu na Irlanda setentrional Crunniuc Mac Agnomain, um rico senhor de terras, pai de quatro filhos desolado pela morte da esposa.

A vida, para ele, havia perdido muito do sentido, do colorido, e - sobretudo para um celta - da poesia.

Com o vazio ocupando o lugar do corao pulstil da alma enamorada de outrora, Crunniuc deixou mngua suas terras e sua morada: parte do gado definhou e morreu, quase toda a plantao secou e quedou estril e o antigo lar do casal passou a abrigar apenas uma fantasmagrica sombra do que foi, em algum longnquo momento, o espelho da luz e do amor que embalava o jovem casal.

Em um final de tarde - quando o Sol acena um adeus descomprometido - Crunniuc, sentado em frente sua casa, observou a aproximao da figura de uma formosa mulher, despontando no horizonte e estampando os cus com suas voluptuosas curvas. O agricultor j no conseguia mais discernir se a luz que vinha por trs da mulher era um feixe reticente do astro-Rei, ou se era o maravilhoso cabelo vermelho que adornava, em cachos, a cintura da maravilhosa figura: no importava, porque, ao final, sentia em seu peito ora, quem diria! Enamorado outra vez! - o retumbante pulsar da paixo.

A exuberante mulher silenciosamente se aproximou de Crunniuc, selando a comunicao com o vazio das palavras: a ternura e o sentimento eram, ali, naquele momento, a linguagem entre eles. Ela adentrou o lar e, numa familiaridade fora do comum, imediatamente comeou a colocar tudo na ordem em que se encontrava antes, quando ali ainda habitava uma alma feminina.

Com muita calma, pacincia e humildade, a mulher dirigiu-se at o canto da cozinha, pegou a vassoura que ali se prostrava coberta pelo p da falta de uso e comeou a limpar o local. Varreu, varreu, varreu e, de tanto varrer, baniu todo o passado que insistia em assombrar a alma solitria de Crunniuc.

Depois de tudo limpo, brilhante e revigorado, a bela ruiva acendeu o corao da casa e preparou o mais suculento jantar nunca antes degustado na Terra de Ulster. Crunniuc se fartava, ainda sem entender direito o que estava acontecendo. Satisfeito aps o banquete de rei, Crunniuc deixou-se conduzir pela mulher at o quarto. Ele se deitou na cama e a mulher, aps dar uma volta completa em torno da cama, selou, ao final, com Crunniuc, o encontro sagrado da deusa com o mortal.

Crunniuc prosperou como nunca... Os campos verdejavam ao som da melodia harmoniosa que a mulher entoava em seus cantos ancestrais. O gado, outrora magro e estril, agora reproduzia o que a bela ruiva trouxera quele homem: o esplendor da fecundidade, presente na barriga proeminente de cada animal das terras de Crunniuc. O imprio de sombras e trevas, enfim, cedeu espao luminosidade que cingia a mulher e tudo que ela tocava.

A roda do ano girou na espiral do tempo de Crunniuc e, com isso, a felicidade se estabeleceu em cada pedao de cho naquela morada entre-mundos. Ele nunca indagou da formosa mulher sua origem, bem como jamais questionou o que ela fazia ali. Apenas amou. Amou e confiou naquela silenciosa mulher, depositando ali seu nobre corao.

Com isso, foi feliz, fez-se feliz, sentiu-se feliz e, coroando a felicidade, eis que a formosa mulher dos cabelos cor-de-fogo trouxe a Lua para seu ventre, brindando Crunniuc com a alegria de, dali a nove ciclos de lunao, ser pai."

Mas essa linda histria no termina aqui. Se terminasse, no seria celta!

Quer saber mais sobre Crunniuc e Macha?

Ensaios anrquicos sobre o Sagrado e o Feminino.

venda no site Sagrados Segredos da Terra.

Por Audrey Donelle Errin
Pesquisadora do Sagrado Feminino, dentro do foco celtbero.

Citao:
"Conectada aos mistrios da ancestralidade da terra."
Sagrados Segredos da Terra
www.sagradosegredosdaterra.blogspot.com.br

Para ler os artigos de Audrey Donelle Errin, clique aqui.
Direitos Autorais

A violao de direitos autorais crime: Lei Federal n 9.610, de 19.02.98. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus autores. Referncias bibliogrficas e endereos de sites consultados na pesquisa, clique aqui.

"Três velas que iluminam a escuridão:
Verdade, Natureza e Conhecimento." Tríade irlandesa.

Go raibh maith agat... Obrigada!
Rowena A. Senėwėen