Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

Versão revisada 2020 ®
Informações: clique aqui.

Loja Virtual - Anam Mór ®
E-BOOK DO LIVRO

ADF
Redes Sociais

Agradecimentos
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

Celebrações Druídicas

Samhain - Inverno - Imbolc - Primavera - Beltane - Verão - Lughnasadh - Outono

Conforme nossas práticas pessoais, durante os grandes festivais, honramos as divindades irlandesas e nos solstícios e equinócios, as deidades galesas. Sláinte!

Festival de Samhain

Festival celebrado no dia 1° de maio, no Hemisfério Sul, representa o fim e o começo de um novo ciclo. Samhain ("Sow-in") é conhecido como a Noite Sagrada que marca o início da parte escura do ano, com a proximidade do inverno, simbolizando o fim da colheita. Rito dedicado aos ancestrais, à Morrighan, Dagda e Manannán Mac Lir. No Hemisfério Norte celebra-se no dia 1° de novembro.

Samhain significa "sem luz" ou "fim do verão", a noite em que o mundo mergulha na total escuridão da alma, preparando-nos para a chegada das noites frias. Na Irlanda antiga, todos os anos um novo fogo sagrado era aceso, com o qual se acendiam todos os demais fogos do vilarejo para queimar durante todo o inverno, com o objetivo de levar luz através do tempo escuro do ano. Samhain

A comemoração do "Ano Novo Celta" é um momento misterioso que não pertence nem ao passado, nem ao presente, nem a este mundo e nem ao outro. É o momento onde os portões entre os mundos se abrem e o véu que os oculta, se torna mais tênue. Época ideal para acessarmos o Outro Mundo em busca de inspiração, bênçãos e cura.

Samhain marca o início de um novo período e um recomeço em nossas vidas. Representa, basicamente, o ciclo de morte e renascimento. Homenageie a memória dos antigos preparando alimentos de sua preferência e contando suas histórias aos seus descendentes. Ao anoitecer, acenda velas nas janelas da frente de sua casa, para proteção e em sinal de respeito e agradecimento aos antepassados de sangue, da terra e da tradição.

Os celtas praticavam rituais de purificação, queimando simbolicamente, nas fogueiras ou no caldeirão, todas as suas frustrações e as ansiedades do ano anterior. Este festival é sinônimo de introspecção e renovação, representada na união sagrada de Morrighan e Dagda, durante a Segunda Batalha de Magh Turied.

Celebrem e vivenciem todas as fases da vida, pois a Roda gira igual para todos, mesmo para aqueles que não estão conectados a ela. O ciclo eterno das transformações... Onde o fim representa um novo começo, abençoados pelo Céu, a Terra e o Mar!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar Samhain

Sugestão de Atividade: Parshell de Samhain

Correspondências:

- Correlação: celebração do "ano novo celta", final e começo de ciclo e dia dos mortos.
- Símbolos: cor preta e laranja, maçãs, romãs, abóbora, nozes e avelãs.
- Incensos: sálvia, carvalho ou cedro.
- Alimentos: sidra, vinho tinto, chá preto, pães e bolos de frutas.

Rainha das Sombras

No ciclo infindável da árvore de prata,
Da infinita alegria à triste lembrança
Magia da harpa que dedilha a sonata.
Num tempo passado e repassado
Caminha pela estrada da vida,
Verde esmeralda, ancestrais do passado.
Gira a Roda sem parar
E festeja a escuridão de Samhain,
Rumo a um novo despertar.
Onde a noite ultrapassa o dia enfim,
Salve, Rainha das Sombras,
Senhora do começo, meio e fim!

Rowena A. Senėwėen ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Solstício de Inverno

Festival comemorado no dia 21 de junho, a época das noites frias. Em galês este festival é conhecido como Alban Arthan, a Luz de Arthur ou a Luz do Inverno, uma versão poética, que relaciona o Solstício de Inverno às lendas do rei Arthur, como Arcturus, o guardião do urso, à estrela mais brilhante do Hemisfério Norte, que celebra este festival no dia 21 de dezembro. Consulte o Calendário Lunar, as datas costumam mudar.

Solstício de Inverno

Este é um período de fortalecimento interior e de total movimento descendente. No Solstício de Inverno os poderes da noite e da terra atingem o seu ápice.

O Solstício de Inverno é tempo de regeneração e mudanças, o recolhimento na escuridão da terra, ou seja, o hibernar para renovar-se. Ideal para despertarmos nossa criança interior, restaurando as energias em honra à Mãe Divina. Propício à meditação, introspecção, soberania e proteção. Dedicamos este rito a Rhiannon.

As noites se tornam mais longas que o dia e o inverno, por fim, se estabelece. A partir desta data, a luz solar começa aumentar gradativamente, apesar do tempo frio, onde reina soberana Cailleach.

Assim como no solstício do verão, megálitos pré-célticos estão alinhados ao nascer do sol, como em Stonehenge, o mesmo acontece no inverno em Newgrange, na Irlanda.

Ornamente seu altar com folhas de figueira, azevinho ou carvalho, assim como o pinheiro que simboliza a renovação e o crescimento, além de elementos que lembrem o inverno. Acenda algumas velas, para simbolizar o Sol e elevar os ânimos. Honre a Mãe Terra e o renascimento do poder solar, como a esperança do retorno da luz. Que assim seja!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar o Solstício de Inverno

Lenda e mitos: O Bom Velhinho Celta!

Correspondências:

- Correlação: natal cristão, renascimento do sol e a dança espiral da renovação.
- Símbolos: cor verde, vermelho e amarelo, pinhas, galhos e folhas verdes.
- Incensos: louro, carvalho ou sálvia.
- Alimentos: sidra, hidromel, vinho quente ou chá, sopa, pães e bolos.

Mistérios da Noite

Noite escura adentra os mistérios da tua alma,
Expurga as sombras dentro deste absoluto infinito
No sentido contrário do habitual, transmuta na chama
O caldeirão das energias estagnadas que aqui deposito.

Ô Deusa que atua na minha força ancestral
Venha com tua infinita sabedoria nos amparar
Seja a pedra, a foice e a taça elemental
Os regentes das mansões estelares a nos restaurar.

Pela borda das nove pérolas da tua proteção
E pela inspiração fervida na prímula silvestre,
Transforme a prata e o visco nesta bela infusão
Abençoando-nos em teu ventre sagrado.

Rowena A. Senėwėen ®
Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Festival de Imbolc

Festival comemorado no dia 1° de agosto, conhecido como Oímealg ou Oimelc, nome gaélico, que significa a lactação das ovelhas. Rito dedicado a Brighid, Deusa do fogo, da cura, da poesia, da fertilidade, das artes e dos poços sagrados. No Hemisfério Norte celebra-se no dia 1° de fevereiro. Imbolc

Festival dedicado ao aumento da luz, com o final do inverno e o despertar das sementes sob o solo, simbolizando os primeiros sinais de vida, garantindo à fertilidade e a renovação das esperanças. É a promessa da Imbas, a inspiração sagrada!

Imbolc é a época onde celebramos o retorno do Sol, que ainda não ganhou força suficiente para banir de vez o frio do inverno. Um costume típico de "Lá Fhéile Bríde" é plantar uma árvore frutífera, além da confecção da Cruz Solar de Brighid, com palha de trigo ou junco, para homenagear Brighid, o lar e a família.

Ritual que, simbolicamente dá boas-vindas à esperança de um novo amanhecer primaveril, que para os celtas era representado pelo nascimento das primeiras ovelhas, assim como, a celebração daquela que dá à luz e com seu leite sagrado, alimenta a nova vida.

Este festival é marcado pela transformação das energias, ideal para se fazer planos, projetos, iniciações e abertura de novos caminhos, além de purificar sua casa, promovendo a cura e a renovação, tanto material como espiritual. Este é um rito alegre e muito iluminado, seja por velas, fogueira ou uma boa lareira.

Aproveite, também, os benefícios curativos das águas dos rios e das fontes. Na Irlanda há várias nascentes e poços dedicados à Deusa Brighid. A água representa um portal para o Outro Mundo, um local de cura e fonte de sabedoria. Bênçãos plenas!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar Imbolc

Sugestão de Atividade: Cruz de Brighid

Correspondências:

- Correlação: primeiros sinais da primavera, festival das luzes e de Santa Brígida.
- Símbolos: cor branca, amarelo e azul, flores frescas, leite e caldeirão com água.
- Incensos: mel, cravo ou canela.
- Alimentos: leite, cerveja, chás, pães e comidas à base de leite.

Oração a Brighid

Abençoada seja, a Senhora do fogo!
Deusa da cura, do saber e da providência,
Forja ardente que transforma o ferro em aço,
Protegei seus filhos com benevolência.

A semente que irradia a promessa
No ventre sagrado à luz renovada,
Iluminai o caminho com a chama solar
Guiando-nos nesta roda sagrada.

O doce mel que purifica a alma
Despertai a alegria do coração,
Com o hidromel, o néctar dos Deuses.
Salve Brighid amada, pela divina inspiração!

Rowena A. Senėwėen ®
Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Equinócio de Primavera

Festival celebrado no dia 21 de setembro com o Equinócio da Primavera. Em galês este festival é conhecido como Alban Eilir ou a Luz da Terra, representa cura e regeneração com as bênçãos dos campos e das sementes. É quando o dia e a noite se tornam iguais, portanto, uma data de equilíbrio e reflexão interior. No Hemisfério Norte celebra-se no dia 21 de março. Consulte o Calendário Lunar, as datas costumam mudar.

Equinócio de Primavera

Os dias escuros agora se vão e a Terra está pronta para ser adubada, dando início ao plantio, tanto físico como espiritual. Portanto, é um período de grande concentração de energia, a fim de assegurar um bom amadurecimento dos frutos recém plantados. Época de transição e de transformações.

Dedicamos este rito a Cernunnos, o Deus da fertilidade ou Blodeuwedd, a Deusa galesa das nove flores, durante o ápice do Equinócio da Primavera. A Páscoa cristã surgiu através de um antigo festival dedicado à Deusa germânica Eostre, cujo o símbolo era o coelho. Os eslavos, por exemplo, costumavam pintavam os ovos para atrair fartura. É a renovação da terra!

Lembrando que não se trata de um sincretismo entre mitologias, nem um incentivo à mistura de panteões, mas um esclarecimento sobre o festival e as suas semelhanças.

Nessa época costuma-se abençoar a terra, colocando-se ovos pintados no altar, simbolizando a fecundidade dos sonhos e o renascer das esperanças. Os ovos podem ser pintados crus ou cozidos, com símbolos célticos e depois enterrados ou consumidos, enquanto mentalizamos nossos pedidos e desejos.

Fase ideal para harmonizarmos-nos interiormente no amor, na profissão ou em todas as áreas da vida. Aproveite para meditar próximo aos campos verdes. Que assim seja!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar o Equinócio da Primavera

Lenda e mitos: A Festa de Bricriu

Correspondências:

- Correlação: tempo de floração e celebração da páscoa cristã.
- Símbolos: cor branca e verde, ovos pintados e flores coloridas ou guirlandas.
- Incensos: cravo, jasmim ou flor do campo.
- Alimentos: vinho branco, chá de flores, bolos, doces e frutas.

Sementes da Primavera

Mundos distintos
Momento distante
Sonhos perdidos
Além do horizonte
Esperanças renascem
A roda segue adiante
Medos que partem
Suave brisa da primavera
Leve embora as marcas
Que o triste inverno deixou
Renascendo o amor
No coração que agora aflorou.

Rowena A. Senėwėen ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Festival de Beltane

Festival comemorado no dia 1° de novembro e que marca a entrada da parte clara do ano. Beltane ou Bealtaine significa literalmente "fogo brilhante" ou "início do verão". Rito dedicado à Bilé, considerado o pai dos Deuses e dos homens. Foi em Beltane que as Tuatha de Danann chegaram à Irlanda, descrito na Primeira Batalha de Magh Turied . Este festival se dedica à purificação, cura e criatividade. No Hemisfério Norte celebra-se no dia 1° de maio.

Beltane é o oposto de Samhain e representa o final do inverno. BeltaneAs tradicionais Fogueiras de Beltane e as oferendas nos Poços Sagrados são atividades típicas dessa época, simbolizando a proteção e a boa sorte. É a união sagrada entre o Céu e a Terra, onde dois mundos se encontram novamente, pois os véus do Outro Mundo se tornam mais tênues. Época ideal para feitura de amuletos.

O calor do Sol e a exuberância da natureza representam a paixão e o amor, marcando uma época de grande poder. As fogueiras, no topo dos montes e em lugares sagrados, eram rituais muito importantes na mitologia céltica, principalmente, para a purificação do gado e das pessoas.

"Lá Bealtaine" é conhecido na mitologia irlandesa como: "Entre os dois Fogos de Beltane", as grandes fogueiras marcam também um tempo de purificação e de transição, anunciando a esperança de boas colheitas e as bênçãos da criação em nossas vidas. Um costume típico de Beltane é passar por entre duas fogueiras, o fogo pode ser representado por velas ou tochas.

Esté é um ritual muito alegre, comemorado com danças e músicas!

Essa é uma época excelente para se fazer encantamentos de cura, proteção, amor e prosperidade, além de colher o orvalho no amanhacer de Beltane para lavar o rosto e, com isso receber, suas bênçãos de beleza e juventude. Que assim seja!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar Beltane

Sugestão de Atividade: Cruz de Rowan

Correspondências:

- Correlação: festival da fertilidade, da purificação e da renovação através do fogo.
- Símbolos: cor vermelha e branca, flores vermelhas, folhas verdes e guirlandas coloridas.
- Incensos: alecrim, lavanda ou rosas.
- Alimentos: vinho tinto, sidra ou suco, bolo de mel, pães e frutas vermelhas.

Fogo Brilhante

Pelas terras além do horizonte,
Os Deuses transitam entre mundos
Ventos sopram chamas do fogo brilhante
Pulsando na respiração ofegante
Extasiados sob a luz do luar
O destino flui nas imagens do ser
Que se revelam por entre o olhar
Diante do corpo que geme de prazer
Corações unidos pelo brilho eterno
Na dança que une a taça e a espada
Resgatam memórias de Avalon
Inebriante líquido da fonte sagrada
O anel de ouro sela o beijo de prata
E as brumas ressurgem novamente
Apenas para ritualizar esse divino amor
Onde os amantes se encontram finalmente

Rowena A. Senėwėen ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Solstício de Verão

Festival celebrado no dia 21 de dezembro com o Solstício de Verão. Em galês este festival é conhecido como Alban Hefin ou a Luz do Verão, é o êxtase máximo da união sagrada, onde o poder da criação está mais ativo e o Sol finalmente atingiu o seu apogeu. A natureza encontra-se plena de luz e magia. No Hemisfério Norte celebra-se no dia 21 de junho. Consulte o Calendário Lunar, as datas costumam mudar.

Solstício de Verão

Este é o dia mais longo do ano, no ápice do verão, aproveite para meditar sob o sol da manhã, celebrando durante todo o dia até o anoitecer, trazendo assim, toda magia solar para o seu interior. Esta é uma boa época para se homenagear o Sol, nas tradições pagãs costuma-se pular fogueiras para a purificação, a fertilidade, a saúde e o amor.

Nesta época o carvalho era especialmente honrado através do corte sacrificial do visco sagrado pelos antigos druidas. Muitos círculos de pedras e megálitos pré-célticos estão alinhados com o nascer do sol nesse dia, incluindo Stonehenge. Na Ilha de Mann é costume no Solstício de Verão ir ao topo da colina mais alta pagar o aluguel da sua ilha, ofertando um tributo em homenagem à Manannán Mac Lir, o Senhor do portal entre os mundos. Dedicamos este rito a Arianrhod, como "a mais bela além do amanhecer do verão".

Aproveite esse ritual para fazer oferendas e comunicar-se com o "Povo das Fadas", pedindo-lhes conhecimento, inspiração e sabedoria. Enfeite seu altar com girassóis, frutas frescas e ervas secas como: lavanda, camomila, verbena ou qualquer erva específica do meio de verão.

Procure sentir toda a energia elemental da natureza fluindo através do seu corpo. Este festival é propício para renovar todas as vibrações tanto da casa, como das pessoas. Além de ser um momento excelente para ativar a prosperidade, a prática de jogos recreativos e piqueniques em família.

Período de materialização de todas as nossas esperanças, onde projetos, sonhos e desejos lançados na época do plantio, começam a dar seus frutos, conforme o despertar da conciência, tornando-se realidade. Celebre e agradeça aos Deuses por mais este ciclo de expansão. Que assim seja!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar o Solstício de Verão

Lenda e mitos: Oisín e Niamh na Terra da Juventude

Correspondências:

- Correlação: festas juninas, o midsummer, a noite das fadas e da magia.
- Símbolos: cor amarela e laranja, flores de girassol e símbolos solares.
- Incensos: alecrim, louro ou canela.
- Alimentos: vinho tinto, sucos cítricos, pães, frutas e hidromel.

Homenagem a Manannán

Eu sou o centro do mundo
Onde o mar nos circunda
Cavalgo por entre as nove ondas
Que transportam ao Outro Mundo
Neste imenso céu acima de nós
Estou firme sobre a terra
O fruto da árvore da vida
Que inspira o bardo, o vate e o druida
Sob a agitação das águas sombrias
A bruma, o manto e a maçã dourada
Que emana cura ao bem-aventurado
A eterna sabedoria de Manannán

Rowena A. Senėwėen ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Festival de Lughnasadh

Lughnasadh é celebrado no dia 1° de fevereiro. "Lá Lúnasa" é um dos quatro Festivais Celtas do Fogo e, basicamente, um ritual agrícola de agradecimento, onde se comemora o primeiro dos três festivais da colheita. Rito dedicado à Deus Lugh, seu nome significa "Luz" - belo como o Sol. O Deus das artes e das muitas habilidades. No Hemisfério Norte celebra-se no dia 1° de agosto.

Lughnasadh Época ideal para agradecermos às nossas colheitas, sejam elas boas ou não, pois sabemos que na natureza tudo é necessário para o crescimento espiritual. A festa de Lugh marca o tempo da colheita, onde oferendas são feitas com o objetivo de protegê-las, além de juramentos e casamentos cujo acordo durava um ano e um dia, podendo renovar-se todos os anos.

Lughnasadh literalmente significa "Jogos de Lugh", isso se deve ao antigo costume celta de promover encontros tribais, feiras e competições esportivas, denominado "Oenach", quando os clãs se reuniam em paz, para honrar a soberania da terra e resolver questões jurídicas. Neste ritual, o primeiro gole de vinho e o primeiro pedaço de pão devem ser jogados dentro do caldeirão, juntamente com papéis, onde serão escritos seus agradecimentos.

Durante este festival honramos, também, a mãe adotiva de Lugh, Taltiu, que o acolheu depois de ter sido resgatado por Manannán e, posteriormente, ela morreu após o grande esforço que fez para limpar a planície central da Irlanda, preparando a terra para o cultivo, metáfora ao sacrifício que a Mãe Terra faz todos os anos, para que o ciclo da colheita se perpetue.

Amuletos e talismãs antigos deverão ser queimados neste ritual, simbolicamente, nos livramos de tudo aquilo que está velho e desgastado, pois a vida se torna morte e a morte se torna vida, o ciclo da criação.

Mesmo não plantando e nem colhendo mais o nosso alimento, lembre-se que tudo foi semeado e produzido nos campos e na terra. Agradeça sempre aos Deuses pela fartura e abundância de nossas vidas. Neste festival, enfeite seu altar com sementes, ramos de trigo, grãos e frutas da época. Bênçãos plenas!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar Lughnasadh

Sugestão de Atividade: Nó da Colheita

Correspondências:

- Correlação: o ciclo das colheitas e dia de ação de graças cristão.
- Símbolos: cor vermelha, amarelo e laranja, sementes, grãos e lança.
- Incensos: camomila, sândalo ou alecrim.
- Alimentos: vinho tinto ou suco de frutas, cerveja de trigo, pães de cereais, bolos e milho. Obs: o milho é um alimento característico das Américas que, historicamente, não foi utilizado pelos celtas.

A Primeira Colheita

Bendita seja a água sagrada
Que purifica a alma e o coração,
Sob a Lua dessa colheita abençoada.
Sombras anciãs trançam suas raízes pela terra
E ofertam o seu primeiros grão
À Mãe Terra na próxima estação,
Guiados pela lança de Lugh, o Brilhante.
Sofrimentos são banidos
Para algum lugar bem distante.
Girando pelas espirais da lenda e do mito,
Caminhamos pela luz do dia
Rumo às estrelas da noite no espaço infinito.
Agradecendo o pão que nos é oferecido
Neste altar de feixes e de grãos,
Consagro esse elo querido.
Ao nobre que caminha na inspiração
Pela doçura desse ciclo sem fim,
O amor que une a verdadeira união.

Rowena A. Senėwėen ®
Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Equinócio de Outono

Festival celebrado no dia 21 de março com o Equinócio de Outono. Em galês este festival é conhecido como Alban Elfed, a Luz do Outono ou a Luz da Água, período onde se comemora a segunda colheita, iniciada em Lughnasadh. A vegetação e a luz solar diminuem e os mistérios da vida e da morte se fazem presentes. Mais uma vez, os dias e as noites são iguais. No Hemisfério Norte celebra-se no dia 21 de setembro. Consulte o Calendário Lunar, as datas costumam mudar.

Equinócio de Outono Época do equilíbrio, da paz e do tempo de se fazer uma avaliação de tudo aquilo que foi plantado e colhido. As folhas começam a cair e o Sol a minguar rapidamente. A natureza declina e se prepara para a chegada do inverno.

Dedicamos este rito a Mabon ap Modron "Filho da Mãe Divina", representando a colheita dos frutos, a despedida do verão e a preparação para o inverno, que se aproxima. Mabon é filho de Modron, associada à fertilidade e às colheitas dos campos. Modron, em alguns mitos, pode ser comparada a Morrighan, bem como a Morgana Le Fay do ciclo arthuriano.

Fase ideal para cura, harmonia, amor e proteção às pessoas que amamos. Aproveite a energia deste ritual para caminhar num bosque e colher sementes, galhos e folhas secas, refletindo sobre a colheita recebida, durante o ápice do outono. O fluir da Awen!

No Equinócio de Outono lembre-se também daqueles que estão doentes e das pessoas mais velhas, que precisam da nossa ajuda, dirija-lhes palavras de amor e carinho, antes da travessia ao Outro Mundo.

Enfeite seu altar com os grãos e sementes que sobraram da primeira colheita, folhas secas, galhos, abóboras, maçãs e outros frutos do outono. E, agradeça mais uma vez à Mãe Terra, pelas bênçãos recebidas durante a sua colheita pessoal. Que assim seja!

Rowena A. Senėwėen ®

Sugestão para ritual: Sugestão para celebrar o Equinócio de Outono

Lenda e mitos: Culhwch e Olwen - Mabinogion

Correspondências:

- Correlação: resultado das colheitas, preparar-se para o inverno e despedir-se do verão.
- Símbolos: cor laranja e marrom, grãos, sementes e folhas secas.
- Incensos: benjoim, lavanda ou sálvia.
- Alimentos: vinho branco ou suco de frutas, cerveja, pães de cereais e bolos.

A Segunda Colheita

Num tempo de infinita beleza,
A vida segue as mansões da Lua
Na dança cósmica da natureza.
Realinha seu eixo energético
E cresce um pouco a cada dia,
Completando o ciclo do ano céltico.
Na jornada da segunda colheita,
Não existem tradições e nem contradições
Existe, apenas o princípio maior da criação,
O equilíbrio perfeito em nossos corações.

Rowena A. Senėwėen ®
Extraído do livro Brumas do Tempo
Todos os direitos reservados.

Voltar ao menu

Referências bibliográficas:
MACCULLOCH, J.A. - A Religião dos Antigos Celtas - Edinburgh: T. & T. CLARK, 1911.
MAY, Pedro Pablo - Os mitos celtas - São Paulo: Angra, 2002.
MARKALE, Jean - A Grande Epopéia dos Celtas - Ed. Ésquilo, 1994.

Ajuda na pronúncia:
FORVO - Guia de Pronúncias: https://pt.forvo.com
Projeto ABAIR: https://www.abair.tcd.ie

Direitos Autorais
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon, entre outras proteções de propriedade intelectual, aos seus respectivos autores. Solicitações para reprodução devem ser feitas por e-mail. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.

Veja Também


Indique esta página a um amigo! Preparar para Impressão 

Rowena A. Senėwėen
Go raibh maith agat... Obrigada!