Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.

Informações: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons


Busca pela folha que perdura

Enviado em 29/12/2011 (1163 leituras)

Decidi um dia entrar no bosque e caminhar. O chão estava repleto de folhas das mais diversas cores, formas e texturas. Todas eram de uma beleza exuberante. Todos tentavam, instigavam. Mas qual pegar para colocar no meu herbário?

Estamos somente no início, no caminho. Precisa-se se concluir a jornada para saber o destino. Esse início é tão complicado. Olhando e entreolhando galhos, folhagens e terra, avistamos uma folha, ainda pouco decomposta, amarelada e linda como o dia ensolarado que um dia lhe cedeu a luz. Abrimos o nosso livro de ervas, e lhe colamos na primeira página. Por alguns instantes nos sentimos tão felizes, completos. Logo passa. É tão estranho e contraditório. Ora, afinal, não era para nós ficarmos plenos em autoconhecimento quando descobrimos a nossa raiz? Não seja truão, não temos nem raiz ainda. É preciso admitir.

Há página e mais páginas do livro que ainda tem que se completar. O bosque ainda espera que seu solo virgem seja pisado por nossos pés para explorar o passado convertido em folhas velhas e secas. Quando descobrimos a folha acima de nós, começados a entender que um dia nossas mães árvores sacrificaram-se para nós, as semente, germinarem. Agora sim, a raiz começa a trincar a casca. A folha que um dia foi da mata antiga, agora serve de nutriente para a jovem muda.

Continue andando pelo bosque, ele lhe pede. Não desista da busca, ela lhe levará a um destino maravilhoso. Há muitas folhas secas pelo chão e também há muito para nossa raiz interior quebrar a semente e fazer a mata sentir nossa presença. Está se sentindo incompleto? Acalme-se, o seu calhamaço ainda está mais incompleto que todos nós juntos. A vida não foi escrita, mas deve ser significada a cada dia, a cada passo novo pelo bosque, a cada folha nova recolhida, a cada vez que a raiz for aprofundando-se na terra e seu caule encorpar.

Um dia seremos grandes árvores, deixaremos nossas folhas caírem para outras sementes, outros andarilhos e seus alfarrábios. Não nos preocupemos com o sentimento de ausência, ele passa logo que a próxima folha for recolhida. Caminhe, somente. Cante para espantar o cansaço. Busque incessantemente, até recomeçar tudo de novo. Alimente e liberte a sua essência, sem deixar de abandonar uma folha para trás. Será de grande valia para aqueles que virão a fazer a sua jornada depois de todos nós.

Inspire-se e deixe-se inspirar. Inspire-os e deixe eles inspirarem.

Inspiremos-nos todos nós e deixemos o mundo inspirar.

Nunca deixe de buscar; Mesmo que a busca seja infinitamente insana, não esqueça que é ela que nos faz mover a nos mesmos. Quando menos esperar, o movimento se multiplicará, pois o vento vai soprar suas folhas e sementes.

“Deixemos as sementes para germinar, mas também cedamos a folha para fazer nutrir.”

/|\ Awen

Druida do Vento
Eu sou um jovem druida, andarilho de um velho caminho, que vive em um vale, entre os bosques retorcidos e pântanos mágicos. Escrevo o que é despertado pela Awen.

Druida do Vento:
www.druidadovento.blogspot.com
E-mail:
druidadovento@yahoo.com.br

Para ler os artigos de Druida do Vento, clique aqui.
Direitos Autorais
A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Solicitações para reprodução devem ser feitas por e-mail. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Obrigado!

Comentários:

Fáilte... Cadastre-se para comentar | Login

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Go raibh maith agat... Obrigado!