Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

Abordagens gerais sobre o Druidismo

Publicado por Rowena em 28/4/2010 (5458 leituras)

Segundo especialistas em História das Religiões, Druidismo é uma religião de caráter xamânico e totêmico, entre outros princípios, reverencia toda a natureza como sendo sagrada. O Druidismo é uma religião politeísta, tribal, pagã e exclusivamente celta.

O Druidismo era considerado a unidade político-religiosa da cultura celta, portanto, praticada pelos Druidas que cultuavam somente Deuses celtas, por volta de 500 a.C. - como relatam os historiadores.

"As fontes de pesquisa sobre o Druidismo são praticamente as mesmas dos celtas, com um pouco mais de restrições, pois não encontramos druidas em todas as sociedades celtas, ou seja, somente em textos medievais, de origem por vezes meramente mitológica, com dados de arqueologia e relatos romanos. Por isto, muito da história dos druidas até hoje é um grande mistério para os historiadores oficiais; sabe-se que realmente existiram entre os povos celtas, mas que não nasceram nesta civilização." The World of The Druids - Dra. Miranda J. Green - Ed. Thames Hudson 1997.

Atualmente, existem duas grandes linhas que são bem atuantes no Paganismo Celta: o Reconstrucionismo Celta e o Druidismo.

Esses dois caminhos buscam resgatar a espiritualidade e o folclore celta, em um contexto cultural, linguístico e religioso, reconstituindo e preservando a cultura celta, através do estudo histórico, antropológico e arqueológico da atualidade.

Portanto, temos o objetivo pessoal de resgatar e divulgar o Druidismo sob uma ótica Reconstrucionista, anterior a cristianização, focando a ancestralidade e o patrimônio cultural deste povo, a língua, os mitos e as lendas. E, com isso, construirmos nosso próprio caminho druídico, vivenciando-o a partir de elementos da cultura celta, respeitando e honrando a terra, que era tão sagrada aos celtas, seja ela na Irlanda, Inglaterra ou Brasil.

Mas há muita especulação sobre o que é e o que não é celta. Sabemos que os celtas não deixaram nenhum registro escrito da sua história, apenas relatos baseados na visão dos seus inimigos romanos, militares e historiadores, e, posteriormente, monges copistas da Idade Média, além de achados arqueológicos, que nos ensinam muito sobre a cultura celta e nos dão uma leve noção sobre as práticas religiosas dos Druidas.

"Naturalmente, pode-se lamentar que a falta de escrita seja responsável por não haver testemunhos essenciais para o conhecimento da antiga cultura celta; mas esta não-utilização da escrita, longe de atestar uma espécie qualquer de incapacidade, resultou duma escolha deliberada das elites celtas, dos chamados Druidas, que eram, simultaneamente, sacerdotes, filósofos, historiadores, poetas e mágicos." Jean Markale - A Grande Epopéia dos Celtas.

Os romanos fizeram a parte escrita da história e os celtas sobreviveram através dos seus mitos e lendas, que foram passados de boca a boca e de geração a geração. Apesar da cultura oral, que nos chega até os dias de hoje, ser muito importante, não podemos desprezar a história escrita, mas é imprescindível ressaltar que a história não possui a verdade absoluta e, na maioria das vezes, o que prevalece é o bom senso e a pesquisa em várias fontes, onde possamos reconhecer o verdadeiro conhecimento ancestral.

Vale lembrar que a civilização celta não era constituída de um único povo, mas de vários povos que habitavam a Europa Central, a Península Ibérica, as Ilhas Britânicas, a Irlanda e a Escócia. Entre eles havia em comum a estrutura social tribal, a agricultura, o estilo de arte específico e a língua falada. E acima de tudo, uma religião com um sistema sacerdotal comum a quase todos os celtas: o Druidismo.

Os celtas eram bem diferentes entre si, tanto na aparência física como nas atividades econômicas e existiam também muitas variações religiosas de região para região, incluindo os festivais, que não eram os mesmos para todos. Os bretões, por exemplo, tinham uma festa específica para celebrar o Solstício de Inverno, sendo que outras tribos não possuíam festivais semelhantes nessa época.

No geral, os Druidas formavam uma elite na sociedade celta, onde ocupavam os cargos de sacerdote, bardo, magistrado, mago, médico, juízes e diplomatas, tentando, sempre que possível, construir novas alianças e constituir a paz entre os reinos celtas.

Podemos encarar o sacerdócio no Druidismo como um agente equilibrador com a responsabilidade social de curar toda a tribo, assim como, curar a si mesmo e o próprio planeta. A arte da cura sempre foi muito evidente nas práticas druídicas, bem como em todas às praticas de caráter xamânico, que cultivam ações semelhantes.

Enfim, a verdadeira fonte do Druidismo transcende o tempo e o espaço, para se apresentar através da sua essência infinita, que hoje, revive em nossa alma ancestral... Que assim seja!

Bênçãos plenas do céu, da terra e do mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio Linha do Tempo até os Celtas Visão geral sobre os mitos celtas Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!