Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

5° Dia: Elementos

Publicado por Rowena em 28/2/2012 (3631 leituras)

Conforme os comparativos indo-europeus, os elementos do corpo são vistos como uma estrutura energética composta por três caldeirões no mundo céltico, na tradição irlandesa; e cada um deles corresponde a um reino, considerados elementos vitais à vida do homem.

Além disso, há um estudo, baseado num antigo poema irlandês, preservado em um manuscrito do século XVI, chamado de "O Caldeirão da Poesia", traduzido por Erynn Rowan Laurie, que relaciona a poesia ao que está sendo gerado em três caldeirões internos. Uma visão do macrocosmo refletida no microcosmo individual. Elucidado também, por Endovelicon em sua postagem.

Transcrevo a seguir, trecho do livro Brumas do Tempo que descreve este estudo:

A autoria desse poema é atribuída a Amergin, considerado um "Ollamh", título que literalmente significa "Mestre". Cada tuath ou tribo tinha seu próprio Ollamh, tido como o maior e o melhor Druida local. Amergin é filho de Mil, que lutou com os Milesianos contra as Tuatha Dé Danann, descrito no "Livro das Invasões". Há vários poemas atribuídos a ele, que sugerem um trabalho interior com os caldeirões para se alcançar o caminho da iluminação, da realização poética e mágica.

O poema nos diz que cada pessoa possui três caldeirões internos que determinam sua saúde geral, o estado da sua mente e da sua psique, em comunhão com o mundo natural. Uma ínfima relação com a filosofia hindu e os chacras, mas que difere no sentido de como movimentar, ativar ou derramar toda esse fluído de energia vital.

A partir deste princípio, os caldeirões estão relacionados a nove elementos essenciais ao homem, conhecidos como "dúile ou dhúile " - o número nove é sinônimo de plenitude para os celtas - que, por sua vez, estão interligados ao Cosmos e à natureza, facilitando a manifestação do divino. Um comparativo da estrutura corporal e a natureza, conforme descreve Searles O'Dubhain.

Os "dúile" ou elementos e os seus correspondentes mágicos são:

1°- Os ossos: estrutura que sustenta o corpo. Para os celtas os ossos continham a magia de uma pessoa. Correspondem à pedra.

2°- A carne: estrutura que nos dá forma e possibilita a nossa locomoção. Corresponde à Terra.

3°- A pele: são como "antenas", sensores corporais sensíveis ao toque, calor, dor, frio e prazer. Indicadores de saúde e bem-estar. Correspondem às árvores e plantas verdes.

4°- O sangue: fluido que dá vida ao corpo, é o rio que flui dentro de nós, que nos aquece e reflete nosso estado emocional. Corresponde ao Mar.

5°- A respiração: é a renovação da vida, elemento que promove a limpeza dos sentimentos e o alívio das tensões. Os celtas viam a respiração como o ar que circula no céu. Corresponde aos ventos.

6°- A mente: é a responsável pela sabedoria do homem, são como as ondas alfas da mente que controlam a natureza ondulatória do pensamento. Corresponde à Lua, que controla os ciclos das marés.

7°- A face: responsável por expressar a personalidade e como o mundo as percebe. A coragem, a reputação, a palavra e a honra eram demonstradas visualmente pelos bardos, através da poesia. Corresponde ao Sol.

8°- O cérebro: funciona como um computador, responsável por armazenar pensamentos e memórias, o organizador da nossa capacidade mental. Corresponde às nuvens e ao raio.

9°- A cabeça: era venerada pelos celtas, que acreditavam ser o lugar onde residia toda a essência da personalidade e o poder pessoal de cada um, geralmente, eram trazidas como troféus de guerra ou conservadas em um local nobre. Corresponde ao Céu.

Todo esse conhecimento está oculto na linguagem dos poetas. Cada caldeirão possui três, desses nove elementos ou "dúile", que podem ser ativadas através da meditação e da respiração, fazendo parte das práticas diárias de conexão aos Três Reinos. A alegria ou a tristeza são as responsáveis pelo movimento deles, simbolicamente, o caldeirão "confere o que é concedido", àqueles que buscam sabedoria para os trabalhos de magia, adivinhações ou cura.

"As três velas que iluminam a escuridão: a Verdade, a Natureza e o Conhecimento." Tríade irlandesa.



Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 4° Dia: Três Reinos 6° Dia: Espaços Sagrados Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!