Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

8° Dia: Divindades e Crença

Publicado por Rowena em 02/3/2012 (2904 leituras)

A convicção na essência divina é algo inerente ao ser humano. "A principal característica das tradições pagãs é a ausência de proselitismo e a presença de uma mitologia viva na sua prática religiosa."

O Druidismo com ênfase no Reconstrucionismo Celta, por exemplo, é visto como uma religião Politeísta - que acredita em vários Deuses e Deusas; Panteísta - na crença que a natureza e todo o Universo, são divinos; e Animista - na crença de que os elementos do Cosmo (Sol, Lua, estrelas) e todos os elementos da natureza possuem um espírito ou uma existência divina.

A nossa fé está alicerçada no princípio que nos leva à comunhão ou união com uma força Criadora, Soberana e Multifacetada na forma de Deuses Celtas ou às divindades politeístas, anterior à cristianização, considerados como ancestrais primordiais, ou seja, uma religião natural e étnica que representa um povo ou cultura específica, embasada na natureza, que visa buscar conhecimento e sabedoria.

Tanto os Deuses, como as Deusas, possuem características próprias e distintas, sigilos e saberes, conforme seus atributos, descrito nos mitos e nas lendas de cada região onde eram cultuados.

Vale lembrar que os celtas não misturavam panteões de outras culturas e nem cultuavam Deuses de outras tribos, apesar das mesmas ligações com a época do ano, cada clã celebrava seus Deuses locais seguindo apenas as referências das tradições pertencentes à sua terra natal, com exceção de algumas divindades pan-célticas que, por suas várias semelhanças, também eram cultuadas.

Os contos celtas irlandeses e galeses, talvez por um acesso mais fácil aos inúmeros registros dos seus mitos, nos conectam naturalmente a essa força cósmica. Então, por mais explicações que possam haver, jamais poderemos explicar aquilo que é sensorial e até mesmo intuitivo, pois cada um deverá completar-se na sua própria fé e vivenciá-la.

Essa é a visão e a jornada pelo qual nos realizamos atualmente, redescobrindo os Deuses antigos, herança de uma ancestralidade espiritual e até mesmo familiar, que nos fez reconhecer a crença no Druidismo que praticamos, como um chamado da alma guerreira.

E quem sabe esse seja o seu caminho também?


"O amor é absoluto -­ elemento vital para a vida humana. Só o amor pode despertar a divindade dentro de você." Quando a alma desperta tudo se completa!



Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 7° Dia: Prática Diária 9° Dia: Ancestrais Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!