Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

19° Dia: Magia

Publicado por Rowena em 13/3/2012 (3780 leituras)

Magia versada, encantamento, fascinação ou, simplesmente, magia natural. "Os bardos e druidas cantavam os contos acompanhados de instrumentos semelhantes a uma lira, seus poderes mágicos tinham efeitos sobre amigos e inimigos." Porque encantar também faz parte da natureza!

Tal como a magia de se estar apaixonado, onde todos nós buscamos desvendar os mistérios (que nunca deixarão de ser um mistério) além da percepção, talvez no canto de um pássaro logo ao amanhecer, no som do vento que anuncia a chuva ou no simples movimento das nuvens no céu. E quem saberá ao certo o que está oculto pelas brumas do tempo?

Muitos ensinamentos estão contidos num sopro de inspiração que nos revelam caminhos nunca antes imaginados, conectando-nos sutilmente ao chamado da alma e do coração, sejam eles transmitidos através da Awen, Imbas ou da busca do Graal, como nos mitos arthurianos.

Os livros antigos relatam que os druidas eram considerados os mestres da magia, faziam encantamentos quando necessário e provocavam um sono mágico nos inimigos, possivelmente hipnótico. Outra habilidade era produzir névoas misteriosas para mudar de aparência ou se esconder, arte conhecida como "féth fiada". Suas habilidades estão presentes por todos os mitos celtas, comprovando o quanto a magia fazia parte do seu mundo.

O universo irlandês, por não ter sido dominado pelos romanos, foi o que melhor conservou as lendas celtas, o folclore e a magia feérica. Diz a lenda que as Tuatha Dé Danann chegaram à Irlanda no início do mês de Maio, na época de Beltane, vindos numa nuvem mágica. Contam que vieram "das ilhas do norte do mundo", provenientes de quatro cidades míticas: Falias, Gorias, Findias e Murias, de onde trouxeram quatro dons, algo como talismãs, que eram: a pedra do destino "Lia Fáil"; a lança invencível "Gáe Assail"; a espada mágica de Nuada e o caldeirão mágico de Dagda.

Enfim, poderíamos citar inúmeros exemplos sobre a magia presente nos mitos celtas, mas a maior magia de todas, com certeza, está lá fora entre as árvores dos bosques, nas matas verdes, nas montanhas, nos rios, nas cachoeiras ou nas ondas do mar.

Ao vivenciarmos a magia natural e suas formas de conexão com a natureza, seja através dos festivais ou das luas do ano, estaremos reequilibrando, novamente, a nossa energia. Em muitas tradições druídicas modernas, as Celebrações de Lua Cheia ou Lua Nova são comemoradas conforme o Calendário Coligny, um calendário lunisolar que começa antes do Festival de Samhain.

"Costuma-se dizer que a magia foi a primeira religião do homem e que ao utilizarmos amorosamente as forças da natureza para causar mudanças benéficas, integramo-nos a elas. Essas forças foram personificadas aos Deuses e Deusas e sintonizar-se com Eles é a base de toda a verdadeira religião."

Que os Deuses nos inspirem, sempre... Awen!





Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
2 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 18° Dia: Ciência e Filosofia 20° Dia: Oração Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.


Enviado por Tópico
Altamarnorma
Publicado: 02/10/2012 15:33  Atualizado: 08/10/2012 18:46
Usuário desde: 06/2/2011
Localidade: salvador
Mensagens: 1
 Re: 19° Dia: Magia
Olá Rowena! Sou estudante de Bruxaria tradicional e gosto de ler os seus artigos, nesse artigo tem uma palavra que gostaria que vc me desse uma explicação sobre o que significa, pois quando estava ainda sem saber meu nome de iniciação sonhei com florestas e o nome AWEN soou, a audição é uma das formas de contato com as/os ancestrais, porém na época não me lembro de ter relatado com a Suma, meu nome mágico é do panteão nórdico, que tenho muito orgulho de cultuar, já jogava Runas antes de estudar bruxaria, Friggah me adotou e sou grata a ela porém sinto uma forte influência das folhas e das matas. Vc poderia me esclarecer sobre isso? o Nome é AWEN, está no texto acima.

Heya!

Enviado por Tópico
Rowena
Publicado: 08/10/2012 18:46  Atualizado: 08/10/2012 18:47
Administrador
Usuário desde: 18/11/2007
Localidade: Caer Siddi
Mensagens: 245
Online!
 Oi, Norma!
A Awen é uma palavra galesa, que significa inspiração sagrada ou inspiração poética e se pronuncia: "auen". Podemos dizer que é o "espírito que flui"... E bem-vinda aqui no site também! ;)

Beijos e muitas bênçãos!

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!