Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.

Informações: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

Publicado por Rowena em 18/3/2012 (1901 leituras)

Comum à unidade, no ponto de vista etimológico, a comunidade visa o bem-estar social. Uma ação, projeto ou mesmo a conscientização que somos um organismo vivo precisando de muita atenção.

Grupos druídicos estão se formando por todo o país, mas poucos são os que nos conhecem de fato, pois a imagem do druida ainda é associada ao ancião de vestes brancas, que percorre os bosques do velho mundo com uma foice dourada na mão, para colher o visco sagrado de uma grande árvore de carvalho ou, então, do poderoso mago Merlin, que acompanha o Rei Arthur durante a sua jornada.

Quem dirá haver mulheres no meio de druidas? Essa foi a pergunta que me fizeram outro dia, pois a maioria também acredita que no Druidismo só haja a presença masculina. Talvez, isso aconteça porque as mulheres, em sua maioria, eram conhecidas com as profetizas, sábias e mestres em muitas artes da tribo e, historicamente, pouco se sabe sobre as Druidesas, Druidisas ou Druidas.

"A mulher é sempre a imagem simbólica da Soberania, na sociedade celta, que encarna o conjunto total da comunidade da qual o rei - como marido - é a peça mestra, um pouco como acontece no jogo de xadrez em que a rainha é a peça de maior mobilidade, onde o rei também é uma peça fundamental, sem a qual se perde a partida. Nas narrativas épicas aparecem as mulheres mágicas, frequentemente, feiticeiras, como Fuamnach, primeira esposa de Mider, inimiga jurada da bela Etaine, e mais tarde como mulheres-guerreiras iniciadoras dos jovens, temíveis sacerdotisas especialistas em manipular os sortilégios. Estas mulheres nunca deixam de viver em sua plenitude." - conforme descreve Jean Markale no livro "A Grande Epopéia dos Celtas".

Sim, há mulheres na comunidade druídica, cada qual com o seu dom, contribuem com a expansão do Druidismo no mundo todo, assim como os homens, pois ambos trilham o caminho da igualdade.

Enfim, tudo isso nos faz perceber como a espiritualidade celta nos conecta às forças primordiais, tão implícitas na sua cosmologia, onde os mundos estão todos interligados em si. Portanto, é fundamental buscarmos, através desta unidade, a cooperação e a união dos talentos para conduzir, na atualidade, projetos e ações que incentivem o bem comum.

Independente do caminho religioso, agora é a hora de pensarmos em melhorias para a nossa grande comunidade, incentivar atitudes simples como a reutilização dos recursos naturais e a reciclagem do que é descartado. Assim como buscar alternativas na alimentação natural ou mesmo na confecção de hortas caseiras, por exemplo. Além da promoção da arte, o belo que alimenta a alma; do bem, no sentido de buscar a paz e o melhor para a sua comunidade e a verdade, que é o caminho para interagir em equilíbrio com o planeta e viver uma vida mais saudável.

Há muitas opções hoje em dia, graças aos Deuses!

Finalizo com um belíssimo texto do druida Gabriel Braga Martone - Druidismo Nativo Ativista - D.N.A.

Um sopro moderno para uma antiga mensagem: "Somos o Druidismo, pois buscamos nessa sabedoria ancestral pistas e referências para agir nesse presente, somos imbuídos coletivamente de uma espiritualidade Celta encarnada como guia. O Druidismo que ontem se constituía também enquanto ciência, originando em suas tribos as primeiras escolas e centros de saber, nos trazia a mensagem da unidade por trás de toda vida. Da triplicidade dos mundos – Uma espiritualidade vinda da terra e das estrelas - Uma ciência vinda da terra e das estrelas – Uma voz vinda da terra e das estrelas. Saber ouvir e transmitir essa voz foi tarefa ontem e nos é pedida hoje... Atentos para dar continuidade e construirmos bases para somar nessa transformação. Aqui, junto de nossas árvores, que não seguem protocolos senão a antiga lei da vida. Guardamos também em nosso D.N.A essa lei profunda. Como mãe que sabe instintivamente os cuidados com a cria, como semente que sabe quando é primavera, mesmo que debaixo da terra para eclodir... É por isso que somos Ativistas!"



Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.


Go raibh maith agat... Obrigado!