Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

23° Dia: Comunidade

Publicado por Rowena em 18/3/2012 (1517 leituras)

Comum à unidade, no ponto de vista etimológico, a comunidade visa o bem-estar social. Uma ação, projeto ou mesmo a conscientização que somos um organismo vivo precisando de muita atenção.

Grupos druídicos estão se formando por todo o país, mas poucos são os que nos conhecem de fato, pois a imagem do druida ainda é associada ao ancião de vestes brancas, que percorre os bosques do velho mundo com uma foice dourada na mão, para colher o visco sagrado de uma grande árvore de carvalho ou, então, do poderoso mago Merlin, que acompanha o Rei Arthur durante a sua jornada.

Quem dirá haver mulheres no meio de druidas? Essa foi a pergunta que me fizeram outro dia, pois a maioria também acredita que no Druidismo só haja a presença masculina. Talvez, isso aconteça porque as mulheres, em sua maioria, eram conhecidas com as profetizas, sábias e mestres em muitas artes da tribo e, historicamente, pouco se sabe sobre as Druidesas, Druidisas ou Druidas.

"A mulher é sempre a imagem simbólica da Soberania, na sociedade celta, que encarna o conjunto total da comunidade da qual o rei - como marido - é a peça mestra, um pouco como acontece no jogo de xadrez em que a rainha é a peça de maior mobilidade, onde o rei também é uma peça fundamental, sem a qual se perde a partida. Nas narrativas épicas aparecem as mulheres mágicas, frequentemente, feiticeiras, como Fuamnach, primeira esposa de Mider, inimiga jurada da bela Etaine, e mais tarde como mulheres-guerreiras iniciadoras dos jovens, temíveis sacerdotisas especialistas em manipular os sortilégios. Estas mulheres nunca deixam de viver em sua plenitude." - conforme descreve Jean Markale no livro "A Grande Epopéia dos Celtas".

Sim, há mulheres na comunidade druídica, cada qual com o seu dom, contribuem com a expansão do Druidismo no mundo todo, assim como os homens, pois ambos trilham o caminho da igualdade.

Enfim, tudo isso nos faz perceber como a espiritualidade celta nos conecta às forças primordiais, tão implícitas na sua cosmologia, onde os mundos estão todos interligados em si. Portanto, é fundamental buscarmos, através desta unidade, a cooperação e a união dos talentos para conduzir, na atualidade, projetos e ações que incentivem o bem comum.

Independente do caminho religioso, agora é a hora de pensarmos em melhorias para a nossa grande comunidade, incentivar atitudes simples como a reutilização dos recursos naturais e a reciclagem do que é descartado. Assim como buscar alternativas na alimentação natural ou mesmo na confecção de hortas caseiras, por exemplo. Além da promoção da arte, o belo que alimenta a alma; do bem, no sentido de buscar a paz e o melhor para a sua comunidade e a verdade, que é o caminho para interagir em equilíbrio com o planeta e viver uma vida mais saudável.

Há muitas opções hoje em dia, graças aos Deuses!

Finalizo com um belíssimo texto do druida Gabriel Braga Martone - Druidismo Nativo Ativista - D.N.A.

Um sopro moderno para uma antiga mensagem: "Somos o Druidismo, pois buscamos nessa sabedoria ancestral pistas e referências para agir nesse presente, somos imbuídos coletivamente de uma espiritualidade Celta encarnada como guia. O Druidismo que ontem se constituía também enquanto ciência, originando em suas tribos as primeiras escolas e centros de saber, nos trazia a mensagem da unidade por trás de toda vida. Da triplicidade dos mundos – Uma espiritualidade vinda da terra e das estrelas - Uma ciência vinda da terra e das estrelas – Uma voz vinda da terra e das estrelas. Saber ouvir e transmitir essa voz foi tarefa ontem e nos é pedida hoje... Atentos para dar continuidade e construirmos bases para somar nessa transformação. Aqui, junto de nossas árvores, que não seguem protocolos senão a antiga lei da vida. Guardamos também em nosso D.N.A essa lei profunda. Como mãe que sabe instintivamente os cuidados com a cria, como semente que sabe quando é primavera, mesmo que debaixo da terra para eclodir... É por isso que somos Ativistas!"



Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 22° Dia: Família e Amigos 24° Dia: Trabalho Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!