Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

Visão geral sobre os mitos celtas

Publicado por Rowena em 17/6/2009 (13670 leituras)

Os mitos celtas foram preservados através das tradições orais e através dos registros escritos de monges cristãos, poetas e escribas medievais, que se ocupavam em traduzir as lendas e os contos, que os celtas e seus descendentes contavam entre si.

O universo irlandês foi o que melhor conservou as tradições celtas, pois a Irlanda nunca fora invadida por Roma, portanto, seus mitos se tornaram mais precisos, mesmo que de forma oral. A escrita entre os celtas se deu, por volta do século V d.C. com a chegada do cristianismo através do monge São Patrício.

Os mitos irlandeses

Muitos dos mitos irlandeses sofreram modificações conforme o contexto cristão, como é o caso dos contos irlandeses de "Lebor Gabála Érenn - O Livro das Invasões", uma coleção de manuscritos redigidos em forma de poema e prosa narrativa, que narram às origens míticas da Irlanda, compilado por um anônimo no século XI d.C.

O mais antigo manuscrito irlandês é o compêndio conhecido como, "O Livro da vaca marrom - Leabhar na hUidre", que contém parte da "Invasão do gado de Cooley - Cúailnge Tain Bó", no Ciclo de Ulster e que nos conta a saga do grande herói celta CuChulainn e suas façanhas.

A maioria dos registros históricos sobre os mitos celtas na mitologia irlandesa, está guardada e preservada em universidades e bibliotecas nacionais da Irlanda. Os manuscritos mais famosos são:

- Lebor Gabála Érenn (O Livro das Conquistas).

- Lebar na Núachongbála (O Livro de Leinster).

- Leabhar Baile an Mhota (O Livro de Ballymote).

- Leabhar Mór Mhic Fhir Bhisigh (O Grande Livro de Lecan).

- Leabhar Buidhe Lecain (O Livro Amarelo de Lecan).

- Leabhar Feirmoithe (O Livro dos Fermoy).

Existem algumas versões diferentes dos mesmos contos em cada um desses manuscritos. O mais famoso deles "Lebor Gabála Érenn - O Livro das Conquistas" possui interpretações mais detalhadas sobre vários contos, que também estão descritas no "Livro de Leinster", no "Livro de Ballymote", no "Livro Amarelo de Lecan" e no "Livro dos Fermoy".

Diante das várias formas de descrever os mitos irlandeses, citaremos uma visão geral sobre os contos celtas mais conhecidos, facilitando a pesquisa e o estudo, os quais foram divididos em quatro grandes ciclos principais:

1°- O Ciclo Mitológico Irlandês: o ciclo sobre a história mítica da Irlanda e suas origens, com uma série de invasões, das Tuatha Dé Danann até a chegada dos Milesianos.

2°- O Ciclo de Ulster: ciclo sobre o reinado de Conchobar Mac Ness, Rei de Ulster, no início da era cristã, os feitos do herói CuChulainn e os guerreiros Ulaid, chamado antigamente de "Ciclo do Ramo Vermelho".

3°- O Ciclo Feniano: contos e baladas, por volta do século III, sobre a trajetória de Finn Mac Cumhail e o Salmão da Sabedoria, além do seu exército de guerreiros, os Fianna.

4°- O Ciclo Histórico ou dos Reis: ciclo das histórias e feitos dos reis Milesianos, que inclui alguns períodos históricos do Ciclo do Ulster, contada pelos antigos bardos.

Há ainda outras histórias que não se enquadram em nenhum desses ciclos e que falam sobre aventuras e viagens ao Outro Mundo, associados ao oeste e à água, conhecidas como Immram ou Immrama (no plural), que significa “Navegações”, em que se descrevem as jornadas místicas de Maelduin pelo mar rumo a Tir na nÓg, repleta de influência cristã.

Os mitos galeses

Os mitos celtas também são retratados através da mitologia galesa, seguindo a tradição oral e conservados nos onze contos do Mabionogion, agrupados em três grupos, numa coletânea de manuscritos em prosa escritos em galês medieval, além da história de Taliesin. Mabionogion foi o termo usado à coletânea pela tradutora inglesa Lady Charlotte Guest, em 1849. São eles:

Quatro Ramos do Mabinogi: ciclo mitológico das três famílias de Deuses.

- Pwyll, Príncipe de Dyfed
- Branwen, a Filha de Llyr
- Manawyddan, o Filho de Llyr
- Math, o Filho de Mathonwy

Contos Nativos: lendas célticas compiladas por Lady Charlotte Guest.

- Culhwch e Olwen
- O sonho de Rhonabwy
- O sonho de Macsen Wledig
- Lludd e Llefelys

Romances Arthurianos: versões galesas dos contos arthurianos.

- Owain ou a Dama da Fonte
- Peredur, filho de Efrawg
- Geraint, filho de Erbin

Ao estudarmos todo esse material, devemos considerar que as traduções do irlandês ou do galês para outras línguas podem conter erros de interpretação. Como se trata de um estudo complexo e comparativo, a história dos celtas ao longo dos anos sofreu muitas modificações e até adaptações romanceadas com o surgimento do Renascimento Celta.

Enfim, conheçamos os grandes ciclos e seus contos extraordinários!

Fontes da pesquisa:
BELLINGHAM, David - Introdução à Mitologia Céltica - Lisboa: Ed. Estampa, 1999.
GUEST, Lady Charlotte - The Mabinogion - Ed. Kinkley, 1887.
MACCULLOCH, J.A. - A Religião dos Antigos Celtas - Edinburgh: T. & T. CLARK, 1911.
MONAGHAN, Patricia - The Encyclopedia of Celtic Mythology and Folklore - Facts On File: New York, 2004.
SQUIRE, Charles - Mitos e Lendas Celtas - Ed. Nova Era, 2003.

Para ler os sites recomendados, clique aqui.

Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
6 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio Abordagens gerais sobre o Druidismo O Ciclo Mitológico Irlandês Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!