Início Login     

Morgana, vilã ou heroína?

Enviado em 16/10/2008 (8196 leituras)

Desde os autores da Idade Mdia aos da literatura contempornea nada se apresenta mais controverso do que a figura de Morgana , onde em algumas verses ela tida como a grande vil no enredo enquanto outros designam a ela o papel de fundamental aliada de Arthur.

No principal documento que a cita historicamente, a saber, o livro intitulado Vita Merlini (Vida de Merlin) de autoria de Geoffrey of Monmouth (1100 - 1155) , Morgana apresentada como uma das nove irms que governavam um lugar mgico a que chamavam Ilha das Mas e que homens conheciam pelo nome de "A Ilha Afortunada" (a mesma citada em Navigatio Sancti Brendani por So Brando na narrativa de suas lendrias viagens aum Paraso Perdido), pelo fato de que ali a Me Natureza nutria seus habitantes com tamanha abundncia que nem havia necessidade de cultivar a terra e nela passar o arado.

Morgana aqui chamada de Morgenpor Geoffrey , sendo descrita por ele como tendo notvel beleza, extraordinrios conhecimentos e incrveis poderes de mudar a sua prpria forma.

Seria ela uma espcie de lder e mentora de suas irms. Porm, a importncia que d a ela no Vita Merlini secundria j que o texto concentra mais em falar de Merlin (praticamente s um pargrafo gasto para mencion-la) que encerra uma espcie de trilogia que deu inicio com Prophetiae Merlini (Profecias de Merlin) e passa por Historia Regum Britanniae (Histrias dos Reis da Britania).

Posteriormente a mesma personagem com certas mudanas citada com um pouco mais destaque como Morgawse (vemos outros autores menos renomados a cham-la tambm de Anna) por Sir Thomas Malory (1405-1471) em seu livro Le Morte dArtur onde compilado para o francs as sagas arthurianas. Porm, seja qual fosse o nome o fato que Morgana e outros personagens femininos figuram como secundrios em face Arthur, Merlin e os Cavaleiros da Tvola Redonda.

Tempos depois j no sculo XX a escritora norte-americana Marion Zimmer Bradley (1930-1999) tem a iniciativa de criar uma verso sob o ponto feminino das lendas arthurianas em seu livro As Brumas de Avalon onde Morgana finalmente elevada a condio de quase personagem central da estria s que assumindo a alcunha de Morgana Le Fey no enredo.

Ocorre que seja como Morgen, Morgawse, Anna, Morgana Le Fey ou qual for o nome, tomada como personagem principal ou mero coadjuvante na trama bem como tambm encarando seu papel como vil ou herina na vida de Arthur, o fato que toda esta narrativa no passa de uma espcie de releitura de lendas bem mais antigas.

Nesta perspectiva, centrando a obra de Geoffrey of Monmouth como grande paradigma na criao da mitologia arthuriana, pelo o qual outros escritores vieram depois para se inspirar pelos sculo afora, a tese mais aceita que ele fez uma verso franco-normanda de mitos clticos e o mesclou com fico histrica, ou seja, pegou lendas ancestrais e procedeu uma reviso nos eventos histricos de modo que lendas e fatos se misturassem como sendo uma s coisa.

Seja quem for Morgana como personagem histrica, partindo claro do pressuposto que ela tenha de fato existido, no resta dvida que Morrigan a principal base de inspirao para Geoffrey compor a sua personagem.

Evidncias que comprovam esta ascendncia mtica sobre Morgana so inmeras que vo desde sua descrio fsica, seus poderes e atitudes que so bem tpicos daqueles vistos em Morrigan. Por exemplo, o poema Morgan le Fay de autoria de Madison Julius Cawein ( 1865 -1914 ) e vejam se a sombra de Morrigan no aparece l:

"De *Samito era feito o seu leito,
No seu cabelo um aro de ouro,
Como luminescncia orgnica, no amarelo-torrado da luz do luar,
Era luzente e fria.
Com olhos cinzentos claros, ela olhava ameaadora e fixamente;
Com lbios vermelhos claros cantava uma cano:
Qual era o cavaleiro que ao olh-la,
No a receava?"

*Obs: samito era uma espcie de tecido pesado de seda usado na Idade Mdia.

Sendo assim, Morgana, nem to vil mas muito herona.

Por Ioldanach
Ioldanach se define como auto-didata e celtista amador que tem como linha de pesquisa tratar o assunto de maneira objetiva e da forma mais cientfica possvel.

Citao:
"Sou um celtista aficionado a cultura celta."
Canal Celta
www.worldceltic.blogspot.com

Para ler os artigos de Ioldanach, clique aqui.
Direitos Autorais

A violao de direitos autorais crime: Lei Federal n 9.610, de 19.02.98. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus autores. Referncias bibliogrficas e endereos de sites consultados na pesquisa, clique aqui.

"Três velas que iluminam a escuridão:
Verdade, Natureza e Conhecimento." Tríade irlandesa.

Go raibh maith agat... Obrigada!
Rowena A. Senėwėen