Início Login     

Divina Conexão

Enviado em 02/10/2010 (2108 leituras)

O Msico e os Pssaros

Um simples relance, simples ato de enxergar, no apenas olhar
Os olhos da alma do poeta lrico e sua conexo sagrada
Na imagem jamais antes notada
Pequeninos grandes Pssaros fazem sinfonia
Mesmo no silncio de seu repouso
Quase inaudvel quieto... Constante
Ao entardecer se torna "quase" um ritual
Adornado pela sombra projetada pelo rei Sol
O horizonte pinta sua aquarela ao fundo
E na penumbra musical silenciosa
No contorno do pentagrama energizado
O msico e os Pssaros se tornam unssonos
Na rara e inigualvel compreenso
Da conexo que h muito se perdeu.

Compus esta singela poesia para introduzir e complementar meu artigo sobre a divina conexo e usarei como exemplo maior disto, um msico brasileiro chamado Jarbas Agnelli, que conseguiu ser tocado por uma imagem que para alguns no faria diferena alguma.

Trata-se de uma foto vista por ele em um jornal de So Paulo que retratava Pssaros empoleirados em fios de energia eltrica. Ele percebeu que esta imagem desenhava uma pauta em um pentagrama musical (leitura de partitura), em seguida sentou em seu piano e comeou a materializar a melodia composta pelos Pssaros na foto. Isto resultou em algo que ao ouvir e sentir, no pude conter as lgrimas, tamanha beleza mpar que se tornou a msica.

Podemos notar que esta conexo feita por Jarbas Agnelli pode nem ser chamada, pelo mesmo por esta palavra, devido ao fato dela ter sido concebida to naturalmente. Esta naturalidade de simplesmente enxergar alm, por estar observando e ser pego no fluxo de sua Inspirao, funciona como um portal que quando acessado por algum, mesmo que, inconscientemente, no me refiro a este caso em especfico usando este termo, possui a chave que faz despertar e desabrochar a "Flor da Alma". Ele foi "abduzido" por esta fora primordial, fora esta que, sabiamente, conduzia nossos antepassados a aprenderem da Me Natureza todas as lies necessrias para se manter a vida, em todos os seus aspectos.

Acredito, tambm, que ele "se deixou" levar por ser uma pessoa sensvel e "suscetvel" por uma das mais belas manifestaes do esprito e da arte, - sou suspeito em dizer, claro - a Msica!

Temos em nossas razes esta conexo e o acesso a esta conexo, se d muitas vezes, por meio do que eu chamaria de "meditaes sbitas do subconsciente". Aqueles momentos em que nos encontramos parados, olhando o horizonte longnquo e tentando alcan-lo, como quando estamos prximos a paisagens que de algum modo, nos cativam e elevam nossos pensamentos. Nesta hora, no h (e nem precisam) palavras. Momentos como estes nos fazer empurrar, sutilmente, este portal de conexo para que possamos vislumbrar algo fascinante e inerente a nossa evoluo espiritual. Se possuirmos a sensibilidade necessria, poderemos "compartilhar com a Natureza", perceberemos nossa sagrada Inspirao de modo que nos rendermos ao embriagante fluxo que ela conduz.

Esta conexo capaz de nos moldar como seres humanos buscadores, nos tornando mais "leves" e menos "donos da verdade", pois se compreende que a verdade no pertence a nada que tangvel ao pensamento comum e at ao raciocnio perspicaz. Mas sim, ao imenso e vasto universo que se faz presente sempre para aqueles que possuem a chave da percepo, onde a simplicidade um dos mais belos e gratificantes caminhos para a Sabedoria.

AWEN a todos!!!

Por ldrich Hazel Ybyrapyt
Caminhante que busca o despertar da conscincia atravs da meditao e da compaixo.

Citao:
"Somos todos folhas da mesma rvore."
ldrich, filho da Aveleira
http://eldrichazel.blogspot.com

Para ler os artigos de ldrich Hazel Ybyrapyt, clique aqui.
Direitos Autorais

A violao de direitos autorais crime: Lei Federal n 9.610, de 19.02.98. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus autores. Referncias bibliogrficas e endereos de sites consultados na pesquisa, clique aqui.

"Três velas que iluminam a escuridão:
Verdade, Natureza e Conhecimento." Tríade irlandesa.

Go raibh maith agat... Obrigada!
Rowena A. Senėwėen