Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

Versão revisada 2020 ®
Informações: clique aqui.

Loja Virtual - Anam Mór ®
E-BOOK DO LIVRO

ADF
Redes Sociais

Agradecimentos
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

Vivenciando os Nove Elementos

Publicado por Rowena em 15/12/2013 (2463 leituras)

Na visão céltica observa-se que o centro do mundo era a interligação de si mesmo, a família (tuath) e os Cosmos. O fogo é o elemento mágico que ligava os Três Mundos: Céu, Terra e Mar (ar, solo e água) e que transformava todos os três.

Por sua vez, esses mundos correspondem ao Mundo Celestial, Intermediário (Terra Média) e Submundo, e que estão associados aos Deuses, Espíritos da natureza e Ancestrais.

"Os druidas eram mestres do fogo. Eram eles que criavam as fogueiras rituais e que velavam pelas chamas sagradas dos Deuses. Os druidas não 'canalizavam' seus Deuses ou falavam com as vozes de Entidades como fazem os 'canalizadores'. Os druidas iam a seus Deuses durante os períodos de êxtase, quando eles conversavam e aprendiam com os Deuses. Eles eram capazes de caminhar no mundo dos sonhos e até mesmo no próprio Outro Mundo." Searles O'Dubhain (tradução: Bellouesus).

O fogo era o centro do mundo celta e do ritual druídico. O fogo, particularmente, o que vem da inspiração sagrada e poética - o Fogo na Cabeça - é conhecido como Imbas (irlandês) ou Awen (galês), um frenesi promovido por estados alterados da consciência, alcançados através da meditação e de práticas xamânicas ou mágicas.

A arqueóloga Dra. Anne Ross relata que os celtas veneravam cabeças como símbolo ligado às divindades e aos poderes do Outro Mundo, sendo a parte mais importante do corpo, o local onde a alma reside.

Esse pensamento indo-europeu nos leva a ideia que o Cosmo é composto por elementos que estão inter-relacionados com a natureza e o homem. Este conceito é identificado em irlandês como "dúile" ou elementos e os seus correspondentes mágicos são:

• Ossos - Pedra
• Carne - Solo
• Pele - Plantas
• Sangue - Mar
• Respiração - Vento
• Mente - Lua
• Rosto - Sol
• Cérebro - Nuvens/Raio
• Cabeça - Céu estrelado

Ao vivenciarmos os nove elementos, construiremos uma ponte entre o visível e o invisível que fluirá de forma poética, entre o corpo físico e o anímico. "O corpo está na alma e esse reconhecimento dá a ele uma dignidade sagrada e mística." John O'Donohue.

Os dúile podem ser agrupados da seguinte forma:

• Tríade da Terra: pedra, solo e plantas.
• Tríade do Mar: água, vento e Lua.
• Tríade do Céu: Sol, nuvens e estrelas.

"A 'tríade' é uma fórmula literária utilizada para a aprendizagem tradicional, que combinou três conceitos e dominou a maior parte da literatura vernacular Celta." Como afirma a arqueóloga professora Dra. Miranda Green, no livro Símbolo e Imagem na Arte religiosa Celta.

O simbolismo mágico do número três está presente em vários contos celtas, desde o Lebor Gabála Érenn, como: as três rainhas das Tuatha Dé Danann Banba, Fotla e Erin ou as "Três Morrígans" Morrighan, Badb e Macha, no Ciclo Mitológico Irlandês; até no Mabionogion, por exemplo: em "Culhwch e Olwen, conta que Culhwch precisa realizar três vezes a mesma ação antes de casar com Olwen. O número três pode ser intensificado para nove (três vezes três), possivelmente indicando conquista e plenitude.

(Palestra realizada durante o IV EBDRC em Cotia/SP)

Vamos nos aprofundar sobre este tema, juntamente com o druida Endovelicon, no próximo encontro que será realizado nos dias 18,19 e 20 de abril de 2014, em Recife. Informações: V EBDRC - 2014.



Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena A. Senėwėen ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
Todos os direitos reservados.

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.



Navegue pelos artigos
Artigo prévio Aquecendo os Caldeirões Convenção de Paranapiacaba Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Rowena A. Senėwėen
Go raibh maith agat... Obrigada!