Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

Versão revisada 2020 ®
Informações: clique aqui.

Loja Virtual - Anam Mór ®
E-BOOK DO LIVRO

ADF
Grupo Filiado

Agradecimentos
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons


Renascimento Druídico

Colunistas: Enviado em 28/05/2011 (3383 leituras)

Presumi-se que em 1717 ocorreu o "Renascimento Druídico" na sociedade inglesa, focado, basicamente, em temas ocultos. O Druidismo, por sua vez, foi uma fonte bem interessante para se tentar conciliar o paganismo ao cristianismo – houve uma grande mistura de princípios religiosos, conforme os interesses da época.

Em 1781, surgiu a Ancient Order of Druids, uma ordem que apostava na mesma fórmula: druidismo, cristianismo, ocultismo, hinduísmo e até mesmo as tradições egípcias. Onde o seu fundador, Henry Hurle, inspirou-se profundamente na Maçonaria escocesa para desenvolver a AOD - Ancient Order of Druids. Surgindo assim, o movimento que conhecemos como Mesodruidismo.

Mais adiante, surge a figura exótica de Edward Willians, também conhecido como Iolo Morgannwg, que anunciou o suposto descobrimento de um manuscrito apócrifo medieval (The Barddas) e outros documentos até mais antigos, onde estariam prescritos todo o "conhecimento druídico" e seus festivais.

Como bem disse o colunista Ioldanach: "Não tardou para que, em 1819, Edward Willian com base nestas "descobertas", criasse a associação National Eisteddffod, do País de Gales, que ganhou um grande prestígio, reunindo grande número de membros da alta sociedade que, devidamente "vestidos como druidas", buscavam reviver os antigos rituais druídicos em Stonehenge.

Muitas ordens druídicas foram criadas dali em diante, com dissidência ao grupo de Edward, principalmente, em virtude dos regionalismos, o que fez difundir o Druidismo Moderno para Escócia, Irlanda, Inglaterra, entre outros países." Fatos que são discutidos até hoje.

O Druidismo parecia ressurgir magicamente das cinzas depois de séculos a fio, só que os tais manuscritos de Edward Willian (Iolo Morgannwg), infelizmente, foram classificados como uma grande fraude histórica.

Evidentemente, sabe-se que ele realmente traduziu e pesquisou a fundo os mitos galeses e as lendas celtas, mas, quando não encontrava a informação desejada, não hesitava em criar uma nova versão dos acontecimentos baseado em suas verdades ou gnose pessoal. Edward Willian (Iolo Morgannwg), foi uma figura muito relevante para o renascimento do Druidismo e das classes druídicas.

Independente do gênero, qualquer pessoa poderia se dedicar ao caminho druídico como simpatizante ou druidista - termo moderno para designar os que estudam o Druidismo histórico. Druidas eram homens e mulheres, talvez, um termo usado para se referir aqueles que praticavam o sacerdócio no Druidismo. Para saber mais a respeito leia: Iniciando a Jornada.

Nos dias atuais, podemos dizer que os druidas modernos praticam uma religião pagã, politeísta e totalmente animista, visando práticas de magia natural e dos ritos celtas pré-cristãos, voltados à celebração da natureza, em total sintonia à nossa ancestralidade e ao local onde vivemos. Que assim seja!

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Leia também: O Renascimento do Druidismo

Rowena A. Senėwėen ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com

Para saber as referências bibliográficas e endereços de sites, usados para a pesquisa dos nossos textos e artigos, clique aqui. Leia, também, os artigos de Rowena A. Senėwėen.
Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites consultados na pesquisa dos artigos, clique aqui.

"O mundo está repleto de coisas mágicas,
 esperando pacientemente o crescimento
da nitidez dos nossos sentidos."
Poema de W. B. Yeats

Go raibh maith agat... Obrigada!
Rowena A. Senėwėen