Céad mille fáilte!

CONSULTA DO ORÁCULO

Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.
Vendas: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

13° Dia: Inspiração

Publicado por Rowena em 08/3/2012 (2130 leituras)

A inspiração é a expressão poética da alma em plena sintonia com o Outro Mundo. Tal como o gênio que se revela através de uma composição artística, exteriorizando toda a força da criação divina. É o princípio da vida que ilumina o conhecimento e nos traz à sabedoria.

Este encantamento está associado ao fluir da criatividade, normalmente, influenciado por um poder sobrenatural, que se apresenta em todos os setores da nossa vida, impulsionado o ser aos nobres feitos, além de proporcionar uma satisfação incomum de realização pessoal, que contagia o ambiente.

A iluminação espiritual, para os irlandeses, é conhecida como "Imbas", a Inspiração Poética ou o Fogo na Cabeça, tal como a "Awen" dos galeses, um frenesi promovido por estados alterados da consciência, geralmente, alcançados através da meditação e de práticas xamânicas ou mágicas.

A arte do bem falar está intimamente ligada às métricas de um belo poema que, com seus versos cantados, nos remete aos Bardos ou "Fili" da Irlanda. Amergin é um dos exemplos clássicos da manifestação poética e mágica, existentes no Druidismo.

Outro exemplo, como os bardos e poetas reverenciavam o conhecimento místico, pode ser encontrado nos antigos contos galeses do Mabinogion, que relata como Gwyon Bach alcançou a Awen através dos dons do conhecimento, profecia e poesia, depois que sorveu, acidentalmente, três gotas da poção mágica de Cerridwen, no caldeirão da inspiração.

E como dizem, o coração apaixonado se comunica com os Deuses e a poesia pode ser considerada sua representação máxima... Apesar de controverso, finalizo a inspiração de hoje, com um belo poema de William Butler Yeats - poeta e dramaturgo, fascinado pela temática céltica e um dos responsáveis pelo renascimento literário irlandês, no final do século XIX.

A Canção de Aengus Delirante

"Saí para colher à madeira da aveleira,
Pois a minha mente estava em frenesi,
Cortei e limpei uma varinha de avelã,
E apanhei uma baga, curvando o seu fino ramo;
Quando as mariposas brancas estavam voando,
Parecendo pequenas estrelas, piscando intensamente,
Eu lancei as frutas, como gotas em um riacho
E capturei uma pequena truta prateada.

Quando eu a coloquei no chão
Soprei o fogo para reavivar suas chamas,
Alguma coisa se moveu e pude ouvir seu farfalhar,
Alguém me chamou pelo meu nome:
E uma jovem apareceu, brilhando suavemente
Com flores de maçãs nos cabelos;
Quem me chamou pelo meu nome,
Correu e desapareceu no ar, com um brilho forte.

Embora, eu seja um velho cansado de vagar
Por tantas terras cheias de cavernas e colinas,
Vou descobrir o lugar para onde ela se foi,
Beijar os seus lábios e segurar suas mãos;
Caminharemos na grama e nos campos floridos,
Ficaremos juntos, até o tempo do fim dos tempos,
Colhendo as prateadas maçãs da lua,
E as douradas maçãs do sol."



Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio 12° Dia: Roda do Ano 14° Dia: Meditação Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Artigos do Site
Para o proveito daqueles que não estão familiarizados com o que fazemos na ordem ADF - Ár nDraíocht Féin, permitam-me explicar rapidamente nossa cosmologia e o que esperamos alcançar em nosso ritual.
O Ogham é um alfabeto oracular, de origem celta, encontrado na Irlanda e Grã-Bretanha. O nome das letras ogâmicas é "fid" (singular) e "feda" (plural) em irlandês antigo. No irlandês moderno são: "fiodh" e "feadha" - que são palavras traduzidas como "madeira" e "bosque".
A meditação é fundamental ao autoconhecimento, no aprofundamento do caminho druídico e no contato com o divino, para alcançarmos o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Go raibh maith agat... Obrigado!