Pesquisa
Menu Principal
LIVRO

BRUMAS DO TEMPO
Poesias, pensamento e ritos druídicos - livro na versão impresso ou e-book.

Informações: clique aqui.
Links

Agradecimentos:
Aon Celtic Art
Licença Creative Commons

SmartSection is developed by The SmartFactory (http://www.smartfactory.ca), a division of INBOX Solutions (http://inboxinternational.com)

Publicado por Rowena em 08/3/2012 (2454 leituras)

A inspiração é a expressão poética da alma em plena sintonia com o Outro Mundo. Tal como o gênio que se revela através de uma composição artística, exteriorizando toda a força da criação divina. É o princípio da vida que ilumina o conhecimento e nos traz à sabedoria.

Este encantamento está associado ao fluir da criatividade, normalmente, influenciado por um poder sobrenatural, que se apresenta em todos os setores da nossa vida, impulsionado o ser aos nobres feitos, além de proporcionar uma satisfação incomum de realização pessoal, que contagia o ambiente.

A iluminação espiritual, para os irlandeses, é conhecida como "Imbas", a Inspiração Poética ou o Fogo na Cabeça, tal como a "Awen" dos galeses, um frenesi promovido por estados alterados da consciência, geralmente, alcançados através da meditação e de práticas xamânicas ou mágicas.

A arte do bem falar está intimamente ligada às métricas de um belo poema que, com seus versos cantados, nos remete aos Bardos ou "Fili" da Irlanda. Amergin é um dos exemplos clássicos da manifestação poética e mágica, existentes no Druidismo.

Outro exemplo, como os bardos e poetas reverenciavam o conhecimento místico, pode ser encontrado nos antigos contos galeses do Mabinogion, que relata como Gwyon Bach alcançou a Awen através dos dons do conhecimento, profecia e poesia, depois que sorveu, acidentalmente, três gotas da poção mágica de Cerridwen, no caldeirão da inspiração.

E como dizem, o coração apaixonado se comunica com os Deuses e a poesia pode ser considerada sua representação máxima... Apesar de controverso, finalizo a inspiração de hoje, com um belo poema de William Butler Yeats - poeta e dramaturgo, fascinado pela temática céltica e um dos responsáveis pelo renascimento literário irlandês, no final do século XIX.

A Canção de Aengus Delirante

"Saí para colher à madeira da aveleira,
Pois a minha mente estava em frenesi,
Cortei e limpei uma varinha de avelã,
E apanhei uma baga, curvando o seu fino ramo;
Quando as mariposas brancas estavam voando,
Parecendo pequenas estrelas, piscando intensamente,
Eu lancei as frutas, como gotas em um riacho
E capturei uma pequena truta prateada.

Quando eu a coloquei no chão
Soprei o fogo para reavivar suas chamas,
Alguma coisa se moveu e pude ouvir seu farfalhar,
Alguém me chamou pelo meu nome:
E uma jovem apareceu, brilhando suavemente
Com flores de maçãs nos cabelos;
Quem me chamou pelo meu nome,
Correu e desapareceu no ar, com um brilho forte.

Embora, eu seja um velho cansado de vagar
Por tantas terras cheias de cavernas e colinas,
Vou descobrir o lugar para onde ela se foi,
Beijar os seus lábios e segurar suas mãos;
Caminharemos na grama e nos campos floridos,
Ficaremos juntos, até o tempo do fim dos tempos,
Colhendo as prateadas maçãs da lua,
E as douradas maçãs do sol."



Rowena Arnehoy Seneween ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
E-mail:
rowena@templodeavalon.com

Veja em artigo em formato PDF Imprimir artigo Enviar artigo
0 Comentário(s)

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites, usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.


Navegue pelos artigos
Artigo prévio Próximo artigo
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.


Go raibh maith agat... Obrigado!